sábado, janeiro 19, 2008

Liberté

É domingo de outono e você vem me ver, mas a gente não se vê há dias. Não tenho coragem de te dizer que conheci uma pianista. Pobre pianista. Você não possui o poder que tinha sobre mim, mas de alguma forma ainda sou seu. Você, meu anjo outonal, eu aprendi a esperar assim como uma aparição do etéreo. Nunca se acaba o ciclo da frustração. “João que amava Tereza que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém.” Meu ego viaja a esmo, na brisa desse triste deletério, o mesmo que faz caírem as folhas velhas. Verdades que nunca foram ditas, mas que sabemos sem dizer. As folhas caem cobrindo a rua.
Continuação. Os pratos se quebravam e não era um casamento grego. O Cigano esteve aqui em minha casa e eu lhe presenteei com uma foto, uma revista, uma meia e uma cueca. Era noite de esquecer de tudo, o começo da decomposição. De esquecer você e extirpar com a navalha alguns miomas intelectuais, além de simples objetos...

>¨<

9 comentários:

caiocito disse...

eu li. Sempre leio. saiba disso. abrazoz.

Katze disse...

Obrigado Caio,
Por elogiar esses q já perderam o teor de Tempo. Enfim, nunca termina... e o mineiro é um povo reticente.
Abraço,
Gustavo

thais disse...

mineirice aguda.

thais disse...

é estranho saber q nao temos mais ãçao verbal.
essa ilusão da espera por uma novidade.
vivendo como um hiato, vegetando no tempo, .
12:21 PM

caiocito disse...

Não se pode ser poeta no mundo corporativo, Gusta.

Ontem me ligaram, cobrando uma poesia. Meu msn estava cheio de mensagens, quase agressivas. aquelas assim: caioooooooooooo entende?

Mesmo que eu tenha uma admiraçao sádica pelas meninas que me escrevem assim: "oi blz, q vc vai fazer hjjjjjjjjj??????????!!!!!!!!! kd minha poesia que vc prometeuuuuuuuuuuu"

Meus e-mail andam lotados de pedidos, e me chamavam de poeta: que porra é essa? estámos no século 21 e ninguém avisou a elas que a poesia que elas vivem está morta.

Sábado passado, ganhei 20 reais por escrever uma redação poética sobre aviação. E fui posto a escrever sobre pressão. Foi uma tortura. Mas me rendeu a compra de uma senha de poker online.

Estou vivendo com muito medo. Vou pedir exílio para pasárgada, ou virar peixe.

abrazoz. gusta. me ajuda.

caiocito disse...

"A burgusia fede". Que frase batida. Como "ser" ou levantar qualquer bandeira ideológica e "impor" qualquer conceito. Tão fora de moda e chato. "Foda-se Nietzsche" pra vc gusta. O que se colocou foram frases, achados, belos achados frasistas. O resto foi irritação. Irritar quem mora na Savassi e no Sto Antônio... toda a molecada da Região Sul que sempre viu no espelho a face ridícula da direita. Pelo ponto de vista de Venda Nova. Nós sempre achamos ridículos as manifestações contra a zona sul. Mas nao defendemos, alias sempre atacamos norte sul leste oeste. centro direita esquerda... abrazoz.

Ed disse...

eu nem sei dizer se fui quem abandonou a poesia ou se foi ela que me abandonou a mim. não levo mais jeito pro negócio, nem para leitura de poesia nem nada assim. sou visceralmente prosaico.

liberté disse...

the fugges...
that was this text remaind me.

Bruna Gil disse...

"De esquecer você e extirpar com a navalha alguns miomas intelectuais, além de simples objetos..."

As palavras são simples e ao mesmo tempo tão ricas; tudo muito bonito, Gustavo.

Beijos!


Ps: e sim, eu hei de sorrir. obrigada! ;)