sexta-feira, junho 20, 2008

heute ist Freitag

Magritte
Ser gente grande e não ter um dinheirinho pra ir até ali, nos limites da metrópole. linha limítrofe entre ser gente grande em condições de criança desencaixada marginal outsider fora da ciranda social. páginas em branco feito ilhas, palavras esgotadas de cansaço náufrago. Romântico e cafona, alienado e brega. a putaqueopariu também é brega? Romantismo é a vontade de fazer e não poder. É um fazer quase blasé, feito de gozo reprimido. Transa sem gosto e sem orgasmo. Estava tão cegamente envolto em sua vontade de ter prazer, que seu pensamento estava em outro lugar. Daquela vez sua porra se perdeu e foi para o cérebro. Continuou perdido, falo ereto vagando sem pensar o que fazer, e sem fazer o que pensava, se é que pensava. A maçã da natureza morta. Goleiro gordo, debaixo das traves.

>¨<

3 comentários:

blogdeareia disse...

Por enquanto, como só tenho conseguido ser o goleiro gordo, mesmo pesando 45 quilos, tento aproveitar esta condição de vida em marcha lenta, a divagar quase pairando. Não sou um ocioso por opção, então, que pelo menos este ócio sirva pra alguma coisa. Se a gente pensar que estes momentos esmos da vida, de dias fatídicos, podem ser tão marcantes quanto os momentos fotográficos, talvez possamos viver em dobro. Afinal o que vivemos são as nossas lembranças. O orgasmo é bom, mas não passa de acorde final para o fechamento das cortinas. Para mim, o verdadeiro gozo está no andante majestoso, capaz de arrepiar a cada estalar dos pratos. É mais ou menos o que escrevi em http://blogdeareia.wordpress.com/2008/05/08/pequenos-retalhos-esquecidos-de-passados-inesquecveis/. Abração

Guilherme Coelho

Papagaio Mudo disse...

Obrigado pelas palavras Guilherme.
Você demonstra ser um grande amigo através delas.
Um enorme abraço,

Gustavo

ps: muito bom o poema
pequenos retalhos esquecidos de passados inesquecveis

liberté disse...

faço coisas do falo. o falo pensou primeiro. falo o ato pós falo. e falo se cala. Estão fala, falo, falo. E o eu falo em falo se torna ato falo. Falo no ato. Deito calo, retroajo e fato.

Acho que estou ficando louca. Amigo preciso de um desabafo falico do ato que me penetrou.
que coisa. Isso. do tempo asento da espera. que tragica comedia. de ser ou nao ser uma maça verde, torta ou morta.

Ai, desabafo. Minha mente ainda nao entrou no jogo do faloxfato. por onde será que anda a cabecinha, a racional. Será que os gatos sao mesmo pardos a noite?