quarta-feira, julho 09, 2008

Gestern war ich so allein

Como fazer? me dá uma chance. Começo e sou nada ou sou demais então sou nada, nada sou. Vejo a linda menina, um biscuit meio sem vitalidade, mas com toda potencialidade. Suave, meiga, bonita e inteligente – uma boa companhia. Roteiro de coisas boas. Cheiro de inspiração cheiro de um amor pulsante, pois a vida não vibra sem amor, finalmente temos que descansar nos braços do amor, querido Ginsberg. Mas me dê uma razão, pois não existe razão para coisas que meu intelecto tenta desbravar. Acho que, se não sinto dores ao acordar, já está tudo ok. Dores na alma machucam o corpo. E o corpo reage positivamente em auto defesa, apesar de- o fardo da vida ser o amor. E temos que carregá-lo, construí-lo. Obté-lo, rezar para consegui-lo, se esforçar, acordar cedo, ganhar dinheiro, vida própria. Ou melhor, pastorear campos distantes ovelhas invisíveis. Que não sejam homens nem super homens ou super mulheres. Como diria a Bruna Gil Não sou menos machista ou feminista por falar do homem, claro, e nem minha alma é menos negra tanto quanto branca, só porque disse claro. Sinto essas dores, Bruna Gil, ao mesmo tempo em que me vem uma coragem sei lá de onde (talvez venha desse instinto de preservação). Meu único medo agora é que se me esvaia essa coragem. Queria q o tempo passasse arrastado só pra ficar do seu lado conversando... conversando... e conversando. Vivendo.
>¨<

2 comentários:

p. disse...

abre aspas eu te amo fecha aspas simples assim.

Papagaio Mudo disse...

eh, quisera fosse...
minha amiga quer ser galanteada, sua delicadeza a faz merecedora.

>¨<