sexta-feira, agosto 22, 2008

Omnia


omnis

ommino

omnes

omnia

Querido Strindberg,

Passo os dias na corda bamba. Sem saber no que vai dar. Passo, dia a dia, passo a passo. Passo as folhas do calendário. Isso não me faz bem. Tornei-me um diabo porque vivi muito tempo no seu inferno, mas, sabe como são as mulheres, sabe como é a vida...
Infernalizado pelas desalegrias e tristezices sigo mimetizado nesse site. Falando ora aqui outra ali, geralmente quando não me vêem. Já não agüento mais esses pequenos golpes caseiros de teias astrais. Cada um age conforme lhe foi ensinado o bom português. De modo que demorei a entender que sinais que vão além dessa gramática de expressões e gestos cotidianos, que havia algo além nas cabeças. Cabeças essas que devo ter empalado em vidas anteriores. O que me cansa é não poder sair daqui por agora, esse ano, essa década... Mas que foda. Meu próprio revisor diz que foda não existe, mas não é verdade. Quisera ele soubesse quando e e quando é. Mas, o caso é que consigo em você um pouco desse desabafo, um pouco desse não-me-achar-um-louco-tarado e nem me querer só pra você, ou me odiar. Sabe Strindz, eu torço muito pra você ai na China, e quero que tudo te aconteça, e que você suba no lugar mais alto do podium, e que veja a nossa bandeira sendo erguida, e chore ao ouvir nosso hino.
Abraços,


>¨<

Um comentário:

Papagaio Mudo disse...

jacques von brauer