quarta-feira, outubro 22, 2008

night in Venezsia


Giacomo,

Incrível as coisas que o ser humano faz tentando agradar os deuses: predileções, diligências, indulgências... como essa biografia assassinada, filho de Ôbá. Aquele pensamento oriental de que a vida pode ser como um rio, se você deixar ela vai seguindo, encontrando seu curso. Mas você também pode tomar as rédeas e fazer dela o seu cavalo. É você quem escolhe, Rio ou Cavalo?
Com treze anos eu matei meu pai. Isso fez de mim um iconoclasta. Com o passar do Tempo, aprendi a matar meus próprios ídolos.
Tentando dormir
de luz apagada
tentando memorizar
alguma coisa boa
que fica, nada além. Vivendo hoje para morrer durante a noite. Não quero mais la belle mort. O dormir de um bêbado como um momento roubado. Longas noites de dissolução. N
a maioria delas, ele dissolve-se a si mesmo, adormecendo feito criança, louco, lírico, sereno.

>¨<

9 comentários:

Hellen Rêgo disse...

oiiiiiiiiiiiiiiiii
;)
bj

Papagaio Mudo disse...

oi Hellen!

>¨<

renata.ferri disse...

Tem gente que cisma de atravessar rio a cavalo. Pode ser levado pela correnteza.

Hellen Rêgo disse...

Vixe!

Papagaio Mudo disse...

Giacomo Girolamo

thais disse...

http://www.bernardoborghetti.co.uk/work/


saca só!

Papagaio Mudo disse...

Ja Ja

>¨<

Giacomo Cassanova disse...

Meu querido Gustavo, ou Katze,

Venho lhe parabenizar por seus textos tão poéticos e tão pouco filosóficos. A vida dospoetas deve ser mesmo assim. Quanto ao vinho e as mulheres, repense seus conceitos no mais ateu dos raional concentimento. Abraço do Cavaleiro de Veneza,
Seu amigo,

Cassanova

Papagaio Mudo disse...

Obrigado pela visita, Casanova.

>¨<