terça-feira, novembro 04, 2008

Sonho

Claro. As coisas agora estão claras e começam a acontecer rapidamente. Fico feliz em saber que a Mildred está bem. Claro, sinto saudades, mas já conheço nossos limites. Foi um thriller mal contado, de uma noite sem fim em um lugar desconhecido. Lugar que ainda hoje eu tenho medo. Medo quando a feitiçaria da noite, medo quando andava sozinho pelas ruas, medo de chutar macumba na encruzilhada, medo de me aproximar novamente. Preciso apurar o olhar para distinguir o óbvio do efêmero. Preciso distinguir o áspero do suave em suas palavras. Aqui é melhor começar a se ajudar, cuidar de si. Essa vez faz conjunto com a flora agreste do seu peito. Dói? Saber que nada mais te encerra na minha evolução, pequena? E o escambau, eu digo, as coisas caminham, percebe?, não quero seguir seus vestígios de sangue e vinho vagabundo e esperar que me diga alguma coisa mal humorada. E a própria lógica do índice “onde há fumaça há fogo” é foda. Espero a sua doença passar. O céu alimenta as estrelas dando um véu acetinado à cena. Depois coloca seu rosto meio de lado, seu sorriso sonso meio devasso e de entusiasmo que eu me lembro tanto. Então vamos pra casa.

>¨<

6 comentários:

Papagaio Mudo disse...

Para Roserouge e Menina do Mar,

http://www.lookatme.ru/flow/reklamnyie-fishki

Beijos,

>¨<

renata.ferri disse...

Home is where the heart is.

Menina do mar disse...

Merci Gustavo!
beijos de minha casa (concha) (:

Papagaio Mudo disse...

e vocês entenderam?

>¨<


ps: são beijos de uma pérola...

Cris disse...

Danke, Neno!!

Papagaio Mudo disse...

como em um sonho, Cris,
desperto para a realiade. E o vemos?

Beijos,

Gustavo