domingo, dezembro 28, 2008

Wo bist du?

Há pouco mais de um ano me separei de minha mulher. Ela é descendente de alemães assim como minha namorada antes dela, Pesseguinho. Sempre fui um errante, nada do que fiz em minha vida foi certo. Sempre cantei aos quatro ventos minha miséria minha sabedoria, a prepotência, também minha e humana. Sempre me embriaguei dos venenos mais torpes, e me safei com audácia, como um Hobin Wood underground, das situações mais caudalosas. Estou me sentindo Giaccomo Casanova a descrever suas aventuras desde que foi expulso de Veneza. Mas, prosseguindo em meu relato pessoal. Essa experiência foi-me um tanto traumática. Foi e está sempre sendo para mim. Minha senda caminha na alma do nevoeiro. Isso acaba envolvendo todos que estão em volta. Isso acaba por mitigar cada dia a imagem que formo de mim mesmo. Sonho ser o que não verdadeiramente sou. Poeta e marginal sempre a margem daqui e dali também. Disse-me Mildred certa vez que eu tinha uma enorme vontade de ser aceito, mas não aceitava ninguém. Até hoje não entendi o que parece simples. O que é de fato aceitar alguém? É não ter olho crítico? Não saber sair dos lugares onde não me sinto bem? Eu é que nunca fui aceito por esses olhos pouco fugazes, e às vezes nada inteligentes. Ficamos juntos dois anos, eu afogado na germanofilia. Nem na Alemanha são tão germanófilos. Nunca os alemães me perseguiram tanto. E eu fui de encontro a eles, a ela. Com minha espada em riste e o coração na mão. Sem disfarçar pequenas emoções, tentando não me desesperar com grandes tristezas. Mas desse passado em que vivemos, sangue do meu sangue espanhol, ativado através dos genes de meu pai, essa novelística quase mexicana. Viva Frida Khalo, mas imagino que nos confins da Galícia, em Ribeiro de Bandi os dias são de tonalidade gris e sem cor, e até os dias de sol são tomados por algum pudor católico que não os deixa ser alegre. Existe uma grande diferença entre festejar e ser feliz. Quanto a verter a si mesmo, se divertir, não vejo lógica, com todo meu pessimismo, para isso. Mesmo assim o faço. Por pessimismo. Quando não tenho para onde ir. Cair morto para mim é a rua, é a chuva, sem destino certo, sem pausas e sem parágrafos. Saio como um Jack Pollock, de gola roleux e jaqueta. Os tons são frios, o dia é branco. Não tenho para onde ir, saio a flanar. Ocorre que tenho que deixar essa estação. Sair da casa de meus pais, da qual passei fora dez anos, da qual todos os irmãos já debandaram. Como disse minha mãe nascem dois morrem dois. Um novo paradigma contradiz esse dito popular. No caso geral seria nascem dois e morre um pra cada lado. Mas no nosso caso, está se cumprindo a sua profecia, o que ela, minha mãe, vaticinou. O problema é que não tenho para onde ir, por isso passo os dias perdido. Por isso passo os dias assim, com a mesma toalha que limpei minha porra, enxugo minhas lágrimas. A mesma paisagem, um voto de silêncio, outro de castidade. Lágrimas são de cristal e la leche és santa.
>¨<

19 comentários:

Miguel Barroso disse...

Para onde o destino te levar?

Papagaio Mudo disse...

Miguel,

O momento é de dor. Sinto-me um barquinho à deriva em mares desconhecidos, no meio de uma tormenta.
Abraços,

Gustavo

Alice Salles disse...

Talvez para qualquer novo levar que te respire...

Papagaio Mudo disse...

A vida é cheia de talvezes
minha querida Alice
Que um novo e qualquer levar me respire!
soprado por ventos de polpa,
que conduzem mais rápido o barco
(ao seu destino-sem-destino)

>¨<

roserouge disse...

"Existe uma grande diferença entre festejar e ser feliz". Sábia, esta frase. Mas Gustavo, se eu te contasse certas coisas da minha vida, do que já fiz ou daquilo por que já passei, chorarias por mim também. Mas não quero, os abismos da alma não me atraem. Às vezes, não conseguirmos aquilo que queremos nem sempre é mau. Temos que aprender com os nossos erros e seguir em frente e tentar mudar algumas das nossas atitudes, já que não podemos mudar a nossa própria natureza. Como dizia Thoreau "nenhum homem é uma ilha" e precisamos dos outros, dos amigos e eu preciso. O bom da coisa é podermos estar com eles sempre que nos apetece e aceitá-los como eles são, assim como eles nos aceitam. E quando conhecemos pessoas que não nos interessa, o melhor é afastarmo-nos, sem stress, sem briga, apenas afastar. Resulta sempre. E não dramatizar o desnecessário e tentar rir sempre o mais possível. Não sei mais o que te dizer, não sei como poderei ajudar-te a sair desse buraco. Tenta perceber onde erraste para não fazeres o mesmo outra vez com outra pessoa que possas vir a conhecer e a amar. É importante de vez em quando sentar, fazer back-ups e rewinds do nosso cérebro e arrumar as gavetas cá dentro. Fechá-las à chave, tipo "isto é bom para mim, isto não é bom para mim". Não te fechares no teu autismo emocional, resolver esses conflitos interiores e distanciares-te de ti próprio, tenta ver-te como os outros te vêm. Tenta. Tenta. Tenta.

Papagaio Mudo disse...

Roserouge,

Pois, tentarei, tentarei e tentarei.

>¨<

ps: quero responder seu comentário com mais calma. Agora apressa-me o rigor das horas.

Violeta disse...

E continuas a arrastar constantemente as correntes...
me pegunto, você já foi diferente disto?
É cômodo demais se encostar nos problemas e deixar que lhe tragam um prato de comida e tudo mais.
Quem dera se todos os brasileiros que ralam todos os dias tivessem o luxo de ter uma vida assim. Nós, os brasileiros como tu, temos problemas infinitamente maiores mas sobrevivemos.
Por que quem não luta fica sem dinheiro, sem casa, sem dignidade.
Encare a verdade, você é brasileiro em sua total essência. Pare de idealizar a gringolêndia e mire-se no exemplo daqueles que te cercam. Seus veradeiros irmãos de nação. Esta será a sua verdadeira cura.

Papagaio Mudo disse...

Violeta,

Tu que pintaste o mistério da libélula na parede do meu quarto, faça o favor de identificar-se, pois senão a tomarei como um anônimo e serei obrigado a apagar seus comentários. Isso que fazes é como bater em cego, todavia, obrigado pelos conselhos.
Abraço,

Gustavo

Papagaio Mudo disse...

Quanto às correntes, deixa que eu as arraste, um dia me livrarei delas, assim como o homem foi à Lua.

Gustavo

ps: só mais uma coisa:
foda-se seu patriotismo de merda!

roserouge disse...

Xiiiii...

Papagaio Mudo disse...

roserouse,

tu és patriota?

>¨<

roserouge disse...

Nalgumas coisas sou. Noutras acho que mais valia sermos espanhóis ou a Península Ibérica (Portugal e Espanha) ser um só país. Tem dias.

Adriana disse...

A primeira vez que passo por aqui, me surpreendi com seu texto, não sei se ficção ou não, mas o que me importa é a construção literária, e isso você sbae fazer. Abraço.

roserouge disse...

Viste, ó papagaio?! Uma fã...

Papagaio Mudo disse...

Adriana,

Primeiro, obrigado pela visita; segundo, não sei se esclarece ou confunde um pequeno texto postado na barra lateral
"os personagens e situações dessa trama são reais no universo da ficção. Não se referem a pessoas e fatos concretos, e sobre eles não emitem opinião"
O lance é que sou um péssimo mentiroso. Mesmo assim, espero que apareça mais vezes para nos confundirmos mais.
Abraço.

Gustavo

ps: percepto = a sensação de noção de percepção.

Violeta disse...

Libélula, que libélula?
Gostaria é de tocar um canção, um samba cheio de dó em homenagem aos peter pans do mundo, os rebeldes sem causa.
Ah, e pode apagar meus comentários sem usar esse tipo de argumento frágil e forçosamente "colocado".
Faço este favor a você. Gentileza urbana, detesto sentir vergonha alheia.

Violeta disse...

pessoas com idade mental de três anos:
"o pirulito é meu e eu faço o que eu quiser com ele, chato, bobo e feio"
ps* por que sempre tem leite no seu bigode?
por que nadas em leite, meu caro

ps* 2 tá brigando com quem? tem uma multidão de homens e mulheres que te odeiam no mundo todo, então
posso estar muito mais longe do que imaginas...assistindo de camarote este seu circo freak

rsrsrsrs

Papagaio Mudo disse...

por que você não se revela?
ou melhor, por que você não aparece na minha frente?

Papagaio Mudo disse...

Aliás eu já disse e repito, quantas vezes for preciso:
vá exercer a sua liberdade de expressão na casa do caralho.
Abraço,

Gustavo

ps: detesto moderadores, censores, detesto apagar comments, detesto proibições, pois é como tratar adultos como crianças. Mas, de uns tempos para cá, peço que evitem fazer comentários anônimos por considerar anti-ético. O que vai contra a minha ética, que é altamente tolerante e à favor da liberdade de expressão (inclusive atirar sapato em presidente americano) removerá comentários anônimos sob o pretexto, mesmo que forçosamente "colocado", de que, metafóricamnte, é o mesmo que bater em cego, ou seja, covardia.
Shame on you, Violeta.