domingo, janeiro 04, 2009

on the green dolphin street

Como pequeno verbo desalmado questionar é o enigma da vida privada. O enigma do coração seja mesmo o maior, pois conduz da vida a própria vida.
__ Tele-marketing paga bem? ela me pergunta.
__ Acho que trabalhando em hotel se ganha mais...
Os egípcios da antiguidade atribuíam ao coração o intelecto humano - pensamentos e emoções. Encontro-me fugindo. Eis que nada se percebe na caminhada pelos subúrbios da madrugada. Faz-me a voracidade ver do capital, l'argent, the money na capital. São jovens na correria da droga, São Jorge na tessitura da Lua, meninos que talvez nem cheguem a ser criança, catadores de papel, mulheres bêbadas, velhos vagabundos bêbados, malandro escondido na sombra do poste, debaixo da passarela, e os puteiros - luz verde (não se sabe se a luz ou as paredes), vermelho-clássico, azul lusco-fusco... Busca de qualquer qualquer coisa, qualquer dose ginsbergiana, de bunda, caralho, buceta, karaokê, pouco importa. E agora? o que vamos fazer? que me fez ver lá do alto, onde plainam os pássaros e onde os sábios respiram, e aos sábados piram. Noite em fuga nos arredores, no entorno, de uma realidade menos torta morta absorta doente vazia viciosa, mas meu coração está morto, percebe? Jazz estamos no centro, perto da rodô, o pacific blues dos mendigos. Noite full gas fugaz, deixa esse povo de merda morrer de ensimesmice. Noite repentina e fuga nos arredores. Eu penso no metrô o teorema da inequação. Desembrulhando um pacote de engodos edipianos. How high can a butterfly? How high is the sky? How deep is the ocean? How high could my thoughts fly? Bye

>¨<

17 comentários:

Papagaio Mudo disse...

nós cromossomos

Raquel Emanuelle disse...

no matter how it ends
no matter how it starts
has no end

Ca:mila disse...

véri gúdi isso aqui, li como inalo fumaças de bel prazer.

Papagaio Mudo disse...

Ca:mila,

Obrigado. Vindo de você, jovem escritora de talento inegável e evidente, é certo que fico lisonjeado. Meu sincero agradecimento, menina-moça.
Abraços,

Gustavo

Papagaio Mudo disse...

I think, also, life is endless.
endless-road-life-road-
life-
we are not even the beginning of the end, although we're capable
of some cataclysm,
through Bible studies.
or not...

>>¨<<

ps: gostou do texto, Manú?
apocalipse é com cê ou com ésse?

Liberté disse...

O Amor. A paixão. Quem sabe se não apenas o mero desejo de mergulhar nas profundezas de um outro eu que queremos explorar, descobrir, penetrar num território infinito de um novo mundo por descobrir. Que nos fascina.
E no entanto há outra pessoa. Há outra perspectiva própria em cada segundo. Comunicação, partilha de perspectativas, ideias, pensamentos. Encontrar um equilíbrio pode ser um objetivo cego, às vezes mesmo obssessivo, e por muito que saiba bem estar embriagado, não se sabe o que vai acontecer no minuto seguinte. É como um filme que começa e nunca se sabe como vai acabar. Confiança. Espírito positivo, boas vibrações. Vou repetindo para não esquecer.

Liberté disse...

from: desvaneios de um louco

Dona Sra. Urtigão disse...

Muito bom isto, me fez retornar no tempo, as leituras ginsbergianas

Eduardo P.L disse...

Papagaio, que cabeçalho BONITO!!!!
Gustavo, seu VARAL esta lá!

Forte abraço

Papagaio Mudo disse...

êba!
vou agora ver!
abraço Edu,

Gustavo

(lê e apaga) disse...

Caio Campos diz:
Porra, Gusta, vc nao tem um celular
Gustavo diz:
E vc tem?
Caio Campos diz:
Não, mas, mas eu não apareço. Tem que bater na porta de boutique, loja e brechó, todo arrumado e simpático e expansivo e falar “hola”, somos do Ommnis e vc vai ganhar dinheiro e projeção, porque vai rolar um bazar de moda e você não vai querer ficar de fora, vai?
Caio Campos diz:
E esfregar o release e o press e um sorriso charmant na cara delas.
Caio Campos diz:
Deixar o cartão, pegar o tel, anotar. Ligar amanhã.
Gustavo diz:
Vc naum entedeu ainda? Tem uma galera que já sabe do discurso. É só chegar, confirmar presença, pegar o cheque pré-datado. Poupa-me, Caiocito.
Caio Campos diz:
Mas é o seguinte, nao pode ficar em casa só fumando beck
Gustavo diz:
Caio, eu só quero uma reunião às 21:00.
Caio Campos diz:
Por que às 21:00?
Porque sim, conversa com a Renata
Gustavo diz:
Eu só quero uma reunião.
Gustavo diz:
Faz o orçamento que você ainda não fez e me deixa trabalhar do meu jeito
Caio Campos diz:
Por causa do problema da chave as pessoas vão desistir. Tem que pensar nisso, e atacar com outras armas de alcance, tipo sedução. O tempo encurtou.
Gustavo diz:
Em outras palavras, fudeu.
Caio Campos diz:
Se vc ficar quieto a coisa nao vai andar. Eu moro na puta que pariu.
Gustavo diz:
Pois eh, mas não fica nervoso
Caio Campos diz:
Eu não estou nervoso. Caralho!

Alice Salles disse...

Oii!
Pode linkar o http://ilumine.thedharmabum.org e eu vou linkar o seu no meu sidebar tb ;)

Papagaio Mudo disse...

ótimo Alice!

assim posso ver a luz dessa liberdade tão desejada (tudo que você deseja em seu perfil tem a ver com liberdade)aahhhh! estou super-sincero e melo-poético hoje, perdoa-me. Sabe, eu dizia a minha ex-esposa que eu era seu anjo libertário. Consegui livrá-la de muita coisa. Só não conseguimos nós libertar de nós mesmos...

>¨<

ps: está feita a ponte

Alice Salles disse...

A gente não consegue se libertar de nada, é tudo uma grande ilusão. Vamos nos libertamos de uma coisa pra cairmos numa prisão outra qualquer...

Papagaio Mudo disse...

A bandeira de Minas Gerais, onde moro, carrega a frase em latim q trauzida quer dizer:

Liberta que serás também!

eu pergunto,
é redundante?

>¨<

ps: sem maniqueísmos

Raquel Emanuelle disse...

Pois é. Por isso Apocalipse (com cê quase no meio e ésse quase no final) é o mais fascinante dos livros. Agora é sempre o fim dos tempos, independente de agora.

Do texto gostei muito, muito!
Seus textos, de ultimamente, têm alguma coisa de diferente, percebe?

Papagaio Mudo disse...

Percebo