domingo, maio 17, 2009

I've got a bike...

Restam ruídos iletrados, e rítmicos.

Bike
É Gisele... parece que já sabiam que o moço era iluminado, quando um colega de Cambridge filmou sua primeira experiência com alucinógenos. Ninguém carrega uma estrela na testa, mas esse cara já nasceu predestinado a ser (ou vir a ser, tornar-se) um ícone da Loucura, da onda psicodélica que ele surfou tão bem em seus primórdios. A sensibilidade do Barrett me espanta, mas comumente generalizam, rotulam e são taxativos ao dizer que as drogas coduziram ou produziram ou potencializaram um estado (ou estágio) de esquizofrenia no moço. Um jovem londrino talentoso que se perdeu, digo, ficou à sombra ou a revelia da pouca memória de nós seres humanos, mídia, público, sujeito interpretante. Porém, ao lado de figuras como Jimmy Hendrix e tantos outros que se sacrificaram pelas drogas ou pela medíocridade = como os dois primeiros integrantes abandonaram a nave-mãe, a nave extraterrestre que Pink Floyd se tornava com o crescente movimento da contracultura. O próprio Bob Klose admite que sua saída foi de crucial importância para que a banda vivesse o seu "melhor momento", projetando-se para além das fronteiras britânicas. Acredito que o lendário Syd Barrett foi quem lançou a pedra fundamental sobre o grupo, com a qual, sem ela nem Pink nem Floyd jamais existiriam ou jamais seriam o mesmo, tão belo e tão genial.
Abraços documentais,

Gustavo

7 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Não sou grande conhecedor da biografia dos caras, mas de fato o gênio da história era o Syd.

Se não me equivoco, o Barret ainda tinha como compositor um lirismo de cancioneiro, incorporando-o de modo primoroso à estética da lisergia. Depois do gênio, o Roger assumiu a batuta - e muito bem! -, mas a banda optou por um lance sinfônico demais. Queriam uma ruptura visceral e, por fim, se transformaram, pela repetição repetição repetição, na mesmice, com muita pirotecnia e som para entorpecer berçário.

No mais, todos sabem, detonaram com o Roger etc. e tal...

Os tempos mudaram - e muito!

Entanto, todos os componentes do Pink Floyd possuem mérito. Pô!, e há músicas atemporais, independente da fase em que se encontravam, músicas que são uma referência para o mundo ocidental.

SYD BARRET not died, he is only traveling ..

Por fim, não se pode passar pela Terra sem escutar esses lunáticos.

Um abraço, Santo Gus!

(Excelente postagem!)

- Henrique Pimenta

Gisele disse...

Gus my friend!
Concordo que sem o Syd o Pink e o Floyd seguiriam caminhos diferentes, não menos brilhantes, mas sem o ponto fundamental que faz deles até hoje a melhor banda de todos os tempos, adoro esses caras :)
Valeu Gus pelo documento! :)
As fotos são belas!
Dia de sol pra vc :)
bjs
Gi

Gisele disse...

present for you, vai lá :)

Papagaio Mudo disse...

ueba!

expressodalinha disse...

A primeira música que ouvi deles era "See Emily Play", ainda não tinham gravado qualquer LP.

Papagaio Mudo disse...

o meu irmão acima de mim (sou filho atemporão, a diferença de idade entre nós é de 8 anos, importantíssimo saber) ouvia The Dark Side, o álbum, na sala, com as luzes apagadas, almofadas no chão, e sempre com alguns amigos e suas namoradas. Eu tinha 8 aninhos e era um verdadeiro "peixinho fora d'água", mas tinha, e continuo tendo, dois ouvidos que me remetem ainda hoje a esse passado. É uma lembrança boa!

roserouge disse...

Que grande post, meu louro! Pink Floyd continua a ser uma das minhas bandas, foram grandes e já tinha pensado em fazer um ou mais posts dedicados a Syd Barret, o génio que não queria ser génio! Só tenho lembranças boas con Pink Floyd também, muita loucura, muita doideira, muita... Palmas, palmas, palmas! Beijos na boca.