segunda-feira, agosto 10, 2009

Deve ser executada, pois, uma tarefa. Depois de conseguir adiar a minha execução por três décadas, deveria agora encontrar um lugar onde pudéssemos comer em paz nossa Svenska. Onde estivéssemos saciados embora nunca nos sentíssemos saciados. Embora sejamos a espécie de criatura mais exótica dos mares. Predador faminto de minhas próprias ideias devorar. Contando nosso lado da história em busca dos fatos. Doze metros abaixo da terra, onde é possível visitar um lugar possível. O dia para si mesmo, para encontrar o melhor. Nas profundezas de mistérios perdidos. Cuidado, segura, segura! Estados que revolucionem os estados de ser, o projeto mais ambicioso de nossas vidas. Ainda assim eu quero não ser um rio seco. O que está escrito no papel é o próprio objeto onde no bar consegue seu próprio sacramento verbal vocalizado. Como os galegos. Concentrado em estrangular em busca de um de um novo dia. Concentrado em ser encontrado ao ser encontrado um osso do pé até que se vá até os altos picos nevados para saber onde se é, em dois de outubro. Então se lembra que se você é você mesmo e revisa o caso. Abandonar o capitalismo carnívoro escravagista não é opcional. Era uma depressão natural cultural humana que derrama o mesmo substrato de seu suor na terra e sua terra regojizou contigo. Da forma que no solo a nossa vida começou Vs. Meus uma produção de passos calculados em fornadas de ideias mais “válidas”. E talvez na subseqüência se pense que nunca tivéssemos perdido o controle sobre si e sobre as coisas e se segue seguidamente em frentes do mesmo destino de desaparecido do seu avô. Porém, que seja com amor e suavidade... Onde pudéssemos comer nossa Svenska em paz.

4 comentários:

BAR DO BARDO disse...

... não há mais o que se perder... na seção de achados e perdidos perderam-se os achados...

Papagaio Mudo disse...

salve Bardo,
Salamaleicon


é... mas ainda há moscas a incomodar...


voa passarinho voa
ah... Nara...
salve!
















>>ºº<<

olharapus disse...

que belo doce...ajuda nas depressões!

Papagaio Mudo disse...

sempre bom!