terça-feira, agosto 18, 2009



Já quis matar, esganar e trucidar. Já desejei com toda a raiva de um bicho ferido que cessasse esse meu sofrimento. Estar de menos, sentir que te falta um pedaço. Toda separação é um ato incrível. Eu como o chacal crio laços. A síntese de Hegel se encena num ato novelesco. Então começa o recomeço. Não sem antes passar por litros do vodka o run aham [o vinho] venho, velho Barreto Miles Davis James Taylor whisky com guaraná cerveja com schwepps Gim Beam Ellis Regina Marvin Gale aquela da roça que me acordava um trago. Todos os dias de ebriedade e redundancia diária me condenando a pagar por isso. Esse descaminho e destroço de alvoroço. Desde sempre sou bicho solto criado na mais pura amplidão. E desde o primeiro dia quero esquecer desde o primeiro porre desde a última lágrima ao último corte. Minha mente me impede tem hora, quando vejo que perdi tudo que no ar se desmanchou. Quando olho pras paredes desse quarto. Não rezo nenhum absurdo sentimento, mas não me arrependo. Minha vida deu um pequeno rodopio. Perdido solto absorto. Morto dentro de mim. Quem esta morto dentro de si não tem motivo pra viver. Foi quando eu vi que a quinta geração de puritanos é obscenamente libertina. E não por isso mas sem saber mais quais conceitos eram os meus troquei o meu usado por um novo. Quebrei a propria imagem dos meus sonhos como quem quebra um ovo, só pra fazer essa rima barata. Ser um poeta de meio quilate, um porre um ressaca uma sina, uma métrica sem rima, um cão que morde, mas não late, um cão que morde sem latir. É como ser enterrado vivo dentro de si, uma paisagem desértica como um nó na palavra. Soube então que eu não tinha nada e comecei a procurar como quem busca desesperadamente um dicionário para saber tal palavra que te trava, um algo qualquer que restava adormecido e que não tenha sido brutalmente atacado. Contra todos os sentidos e sem pressa, procurei as palavras. Letra por letra, regra sonora, mesmo que não seja vocalizada, e as lágrimas espirravam e os dias se passaram até a última gota de sangue.


Foi quando uma borboleta pousou em minha cabeça, e feito criança me pus a procurá-la. também desnorteado...


Pela minha paz pela nossa.


Amem.

21 comentários:

Denise disse...

Tão dolorido e tão intenso
e de tanta dor vi que cheguei a sentir.

e depois dizem que dor tb não é bonito!
Me lembrei disso:
Oh, pedaço de mim
Oh, metade afastada de mim
Leva o teu olhar
Que a saudade é o pior tormento
É pior do que o esquecimento
É pior do que se entrevar

Oh, pedaço de mim
Oh, metade exilada de mim
Leva os teus sinais
Que a saudade dói como um barco
Que aos poucos descreve um arco
E evita atracar no cais


carinho

Anaah disse...

nossa, você escreve muuuuito bem. adorei o texto.
beeijo :)

nina rizzi disse...

me parece que as borboletas vivem apenas um dia. mas voam, sim, claro. mas só voam por perto, não há rasantes.

eu vou ranger os dentes eternamente.. grrrrrrrrrrr

kuwbhvcierbfir3vbierbvigv3r
rsrsrs

beijos :)

Nydia Bonetti disse...

de doer... talvez porque descreva a dor de todos nós. uma beleza de texto, gustavo. bjo.

Plin Fashion. disse...

Ounnn... obrigada pela visita no blog.

Hahahaha... que bom que você gostou da descrição do meu blog.

Tô te seguindo!
Beijoconas!


Talitaribeiro.com.br

Papagaio Mudo disse...

Plin!


é isso! Obrigado Talita...
segue o bonde!

a descrição de você por você mesma é esfuziante.


Abraço,




>¨<

Adriana Godoy disse...

Ei, Papagaio, amei, amém. beijo

Maari. disse...

Muito bom o texto!
Você escreve de forma muito bonita, expressiva *-*
Adorei o conteúdo do seu blog.
:*

Papagaio Mudo disse...

o diabo mora na minha mente vazia


obrigado Maari. Maari-maóri. Gostei da sua franja rosa.


>¨<

Papagaio Mudo disse...

Adriana Godoy e sua mamadeira de cevada...

Sim, amemos!
beijo,

Gus

Papagaio Mudo disse...

Nydia,

Seu elogio agrada-me enorme.
Estamos juntos. Na mesma hiper-esfera.
Beijos,

Gustavo

Uma Pulga em desesperO disse...

Que dor hein..

Muito bom....profundo!

Papagaio Mudo disse...

já passou... já pssou...


fui pegá carangejo na praia
dá beijim pra sará dá


4:44

Rebeca disse...

Seu comentario no meu blog foi muito filosófico...

Reh *-* disse...

Vim agradecer seu comentário em meu blog ^^ ...vlw!!

E também elogiá-lo pelo post, muito bonita a forma como tenta expressar um pensamento, amei o texto!! ;)

Sempre que der dou uma passadinha... tenha uma ótima semana ;*

Raíça disse...

olha, pra um papagaio mudo, até que vc diz umas coisas bem bonitas. gostei mesmo, parabéns :)

Gicelle Archanjo disse...

Sem palavras, sabe que chorei de tanto que me identifiquei, muito lindo.

Gisele Freire disse...

Oi Gus
Que lindo teu texto, lindo mesmo!
Abraço
Gi

Papagaio Mudo disse...

Oi Gi

Obrigado.
um resto de super-nova...
Abraço

Gus

BAR DO BARDO disse...

PAX!

Cláudio Schuster disse...

O texto é uma borboleta para nossas cabeças.

Abraço.