quarta-feira, setembro 30, 2009

Alma, espelho meu, reflete realidade pelos olhos

Mas não sabia ser blasé. Apaixonado, inútil, triste, bobalegre, rasgado, dilacerado, e pelo contrário, passioanal. Tudo menos blasé. Andava mesmo com medo dos olhares de gente com cara de quem chutou macumba-na-encruzilhada. A epiderme derme em brasa e com a lucidez do fogo, Dimitri jogou-se na calçada como quem por apelo pede, de socorro. Com a garganta engasgada de ódiódiódio e uma espécie de gosma branca babada de poesiasiasias verificar ortografia e já faz tempo que em pó se desfez, o menino andava sustenido. As teclas brancas e negras negras, brancas e brancas brancas. Dimitri deitou na calçada como se fosse sua. Sua cama, sua calçada, sua caminha suja, seu berço, berço eterno, sua rua. Fez o gelo baiano de travesseiro pra descansar o sangue que jorrou do seu cabelo. Dimitri queria forças, queria a todas as moças, mas alguém especial que ficasse no caminho. Queria casar-se Dimitri, admite. Dimitri estava sozinho. Era um pé de milho no milharal, uma espiga, um grãozinho. Nem um milhão de caracteres nem um milhão de mulheres nem um milhão de amigos nem de palavras fazia Dimitri desvencilhar-se do seu próprio umbigo, nessa lassidão tingida de espanto. Na época achava que todo vazio que sentia era tudo que tinha, mas nem tanto. Que nenhuma tinta de caneta, nenhum grito, nem as raizínhass do nervo poderiam registrar seu fim, que nenhuma invenção nenhum alvitre. Dimitri morreu sem final. Suas últimas palavras foram espelho, espelho meu, quem estará nesse mundo mais viúvo do que eu? e todos em volta se calaram em sina de cumplicidade.
Seu melhor amigo,
Boris

14 comentários:

Andrea disse...

Meus Deus, pq um fim tão trágico para Dimitri...? muita indecisão, muito conflito...ele poderia facilitar as coisas né?rs

Bjo Gustavo, adoro teus textos, muitas vezes não comento pq não me sinto à altura do mesmo, mas hoje não resisti...rs

Papagaio Mudo disse...

Oi Andrea,

Dimitri tinha AIDS...
Bjo,

Gustavo

Andrea disse...

Realmente, teus textos me surpreendem...:)

Papagaio Mudo disse...

obrigado

Papagaio Mudo disse...

23:23

as viciadas disse...

aaai, fiquei sem palavras.
posso dizer também que nao me sinto à altura pra comentar nada.

kiss,L.

Vennus DeMillus disse...

Olá Gus...

Dimitri é a descrição exata daqueles que estão mergulhados até os ossos pela mais funda noite dos olhos nos olhos sem nenhuma luz reconhecível...

Noite boa das insônias do lado de cá =)


Um sorriso
=)

Papagaio Mudo disse...

Vennus DeMillus,

Dos gardenias para ti.
Abrazos,

Ibrahim Ferrer
by me...

GuS

ps: http://www.youtube.com/watch?v=Wmfa2XznVic

Papagaio Mudo disse...

Viciada L,

... meço apenas 1 e 70...

queria que o Bardo visse isso

tantos ésses

nenhum ismo

não há bis

no abismo



Beijo
GuSTavo

Vennus DeMillus disse...

Caramba, Ferrer é um deleite para estes ouvidos "tuberculosos", dá até vontade de dois pra lá e dois pra cá tb... =)

Te deixo Lila Downs - "Pa' todo el año", que mi mama sempre dizia ser musica de "velho" e que eu tinha sido trocada na maternidade... =)
Casos de familia desinteressante a parte, fica a sugestão. Msm sabendo que gosto musical é gosto musical =D

Noite Boa e longa...
ps - curtindo Martha Argerich♥

http://www.youtube.com/watch?v=sF46YpRkINA

Gicelle Archanjo disse...

Me faltam as palavras. Chorei.

BAR DO BARDO disse...

Texto muito bem construído, Santo Gus!

Parabéns!

Marcela Reinhardt disse...

tem um selo para ti no meu blog!
www.marcelareinhardt.blogspot.com

Karla Oliveira disse...

oi