domingo, outubro 11, 2009

La maladresse

Sobre o poema Le retour d'Artaud, le Momo
...............................................de Antonin Artaud
.............
Artaud “reivindicou” sua falta de jeito, que não foi uma falha técnica, mas a recusa do princípio do mesmo projeto, a rejeição da Escola de Arte de Arte e Belas Artes. O desenho não foi para sua representação, mas a retomada de sua alma, seu corpo e sua mão. Momo é o garoto ingênuo, ingênua, que nasceu em Marselha, o louco, o idiota da aldeia, que produziu este conjunto de desenhos que irá retornar ao MOMA. O momo é o doce, o doce e o Moma catalão são dinheiro, dinheiro. Ele comemora mumificado em risco rígido. É o julgamento da máquina que destrói, mas alimenta. É também o deus grego do ridículo, Momus, o bufão face cruel faz cara de mau em pleno vigor, o ritmo aterrorizante de sua respiração. Uma coisa que auto-gera, sem pai nem mãe, ele se transforma e pragueja maldições e insultos. Artaud nasceu duas vezes, uma em Marselha e outra na Grécia, e nasceu uma terceira vez. Durante os últimos dez anos, aprendeu uma língua pela língua, vociferando a glossolalia que produziu obras. Seu trabalho e seus pictogramas desafiam qualquer instituição.
~~

.
de acordo com Deleuze e Guattari, Antonin Artaud declara a guerra contra o corpo, sem receio de danos que podem ocorrer na cultura. Eles são o corpo sem corpo (o corpo de Artaud), ou seja, um conceito articulado com outros conceitos (em termos de consistência, signos, platôs). No corpo sem pesar o corpo dirigente de Deus. É ele que sofre. Quando os órgãos caem dentro destes relatórios é chamado de composição corporal. O deus dominante é um significado, uma história: “Você vai ser organizado, você será um corpo, você deve articular seu corpo, caso contrário você não será tão depravado. Você será significante e significado, intérprete e interpretado, caso contrário você não será um desvio. Você estará sujeito a ser definido como tal, caso contrário você será um vagabundo.”
......
."c
...
“Deus orientou-me na desesperação
como em uma constelação
de becos sem saída
dentro ds quais sua iluminação
culmina em mim,

Eu não posso nem morrer
nem viver, nem desejar morrer ou viver.
E todos os homens
são como eu.”
...................................Antonin Artaud.
.............................
momo (ô)
s. m.
1. Deus da sátira e do riso.
2. Filho do Sol e da Noite, segundo Hesíodo (Mit.).
3. Momice; representação mímica.
4. Farsa satírica.
5. Fig. Escárnio.

4 comentários:

Papagaio Mudo disse...

Menschen müssen langweilen mit diesen Texten heimgesucht. Oder ist alles, was die Welt ist zu faul, zu denken und nicht daran interessiert, Rn Kultur. Niemand hat es zu mögen, aber nicht zu sagen "hallo" mehr. Es scheint, dass meine abgekühlt pan...
fick *4$º¬7&.>§;£#!!!

Gisele Freire disse...

Caramba Gus
Tu andas profundo ultimamente!
Bravíssimo!
Artaud é fantástico!
Obrigada por tantas boas informações!
Bj
Gi

Nydia Bonetti disse...

Je joue ma vie...

Papagaio Mudo disse...

et j'écris le mot.