quarta-feira, outubro 14, 2009

mudando de assunto


Um pirata, como um louco nessa ilha chamada quarto. Está presente no sonho a vontade até de modo absurdo, até o ponto de negar o possível, até uma espécie de transmutação da mentira com a qual se refaz a verdade, inspira os pensamentos. Despertar desse sonho faz agir de forma louca, de ordem delirante, absurda, imbecil. Se eu pensar que sou inútil, serei realmente inútil. Se pensar é inútil, posso lentamente despertar signos infinitos, que poderão ser infinitamente interpretados, ou seriam apenas representamens. Mas, como vocês sabem, o futebol é uma caixinha de surpresas... Sociedades desenvolvidas pós Revolução Industrial caracterizam a Modernidade. Pós-modernidade é a condição sócio-cultural e estética do capitalismo contemporâneo, também denominado pós-industrial. A subversiva, desconhecida, temida e mal-falada Pós-modernidade é o estado de realidade que paira sobre a sociedade pós-industrial (ou seja, sociedade pós-moderna) nos quais baseamos nossa consciência e ações. O estudo da pós-modernidade é uma “pedra no sapato” dos acadêmicos que ensinam os autores modernos, enquanto vivemos “a pleno vapor”, ou em ritmo acelerado onde a invenção da “máquina a vapor” se mistura com as instruções quiçá de como construí-lo. Sócio-culturalmente, esse enorme arquivo áudio-visual disponível ao click da pesquisa, influi na globalização do terrorismo e da pedofilia, por exemplo. Nem todos os padres são pedófilos, alguns também são assassinos cruéis e obscurecidos. Outros são portadores e pregadores de um conhecimento secular para povos secularizados. Apesar das homenagens “rendidas” a Galileo Galilei. A por.. da pós-modernidade é que ela se rejubila com nossas caras de aflito. Com os cineastas exigindo uma banca de avaliação do cinema digital no Brasil. Não podemos submeter a Lei de Incentivo à Cultura à métodos e conceitualismo, nem tampouco deixar que a minha dentista tenha acesso a esse beneficio. Mas como provar a legitimidade do conceito, estritu sensu, de Arte? Pequeno problema para quem enxerga um tolerável e simples “adendo” acadêmico que pode ser visto como por consequência da vida pós-moderna, nas investigações de gênero e multiculturalismo. Problema nenhum para quem não enxerga, para não ouve, mas não entende bem as palavras. Gera, pois, na metafísica uma situação de crise e perda de legitimidade das meta-narrativas, dos discursos últimos que sustentam discursos menos fundamentais. Na medida incomensurável em que sentimos e podemos transgredir o moderno e redefinir estados de percepção de novos signos.
__ mas afinal, o que é mesmo a pós-modernidade? - perguntou o Bispo.
__ é o que vivemos, anestesiadamdente - respondeu a Rainha - é uma espécie de ouvir daqui o que eles falam da gente lá...

4 comentários:

betina moraes disse...

Papagaio,

mais do que tudo

artaud me manteve lendo as coisas por aqui,

mas também

os textos que escreve, os temas que escolhe, as referências,

muito bom.

abraços!

BAR DO BARDO disse...

Sustento que os supensórios fabricam sujeitos barrigudos. Importante que se ressalte: os olhos saltam.

Papagaio Mudo disse...

bardo bardinho robusto
muito éssi & nenhum susto

Papagaio Mudo disse...

Betina,

Obrigado.
Bjos,

Gustavo