sexta-feira, outubro 09, 2009

Howl

SANDUÍCHES DE REALIDADE

“Cadernos secretos rabiscados e páginas selvagens

batidas a máquina para meu próprio prazer”

.

Dedicado

ao Puro Imaginário

POETA

Gregory Corso

.

Peço-lhe que volte & fique contente .

.

Esta noite fiquei ligado na janela do meu apartamento

sentado às 3 da manhã

olhando incandescentes tochas azuis

embaixo a rua amplamente iluminada

densas sombras assomando no asfalto recém-colocado

andando penosamente no escuro

lixo cruelmente virado bastões & latase senhoras cansadas sentadas nos latões de lixo espanhol

calor mortal faz um mês

os hidrantes de incêndio tiveram um vazamento

hoje às 3 da tarde o sol numa neblina –

agora tudo escuro lá fora, um gato silencioso

atravessa a rua – eu mio

e ele olha para cima e passa poruma pilha de entulho no caminho

até o brilhante latão dourado de lixo

(fósforo de noite

E fedor do beco)

(ou então de lixo nas portas) – Acho que a América é um caos

A polícia atravanca as ruas com sua ansiedade

A viatura guincha & páraHoje uma mulher, 20 anos, bateu no irmão

que brincava com seus tijolos infantis

brincava com um enorme rochedo –

“Não faça isso agora! a polícia! a polícia!”

E não havia polícia lá –

Olho por cima do meu ombro –Um monte de lixo do outro lado.

Gás lacrimogêneo! Dinamite! Bigodes!

Deixei crescer a barba e carreguei adoráveis bombas,

Destruirei o mundo, me infiltrarei entre as

fendas da morte

e transformarei o universo – Há!

Tenho segredo, carregoSalames subversivos na Minha pasta amarrotada

“Alho, pobreza, um testamento para o céu,”

um estranho sonho em minha carne:

Nuvens radiantes, eu ouvi a voz de Deus no

meu sono, ou de Blake acordado¹, ou minha

própria ouo sonho de uma rotisseria de vacas mugindo –

e porcos grunhindo –O golpe de uma facada

um dedo decepado no meu cérebro –

umas poucas mortes que eu conheço –

Oh, irmãos na Láurea

Será o mundo real?Será a coroa de Louros uma piada ou uma coroa de espinhos?

Depressa, passa

pelo cuLá vou eu

Vem vapor

– a rua lá fora,

eu espreitando Nova York

O caminhão negro passa roncando &

vibrando fundo –

Que

....tal

.......se

.........os....

...........mundos

..............fossem

................uma

.................série

......,...........de degraus

................Que

..............tal

............se

..........os

.........degraus

.......se encontrassem

.....de novo

...na

Margem

– Deixando-nos voar como pássaros para dentro do Tempo

– olhos e faróis de carros –

A retração do vazio

dentro da Nebulosa

Essas Galáxias cruzam-se como roldanas & elas passam

como gás –Que florestas nascem.

..

15 de setembro, 1959

.

Allen Ginsberg

.

¹ de Blake acordado – alusão a sua iluminação de William Blake.

2 comentários:

Gisele Freire disse...

Muito bom Gus, bom mesmo!
Bjs
Gi

Henrique Pimenta disse...

Pura invenção. Eu quero o caos da América e uma pá de cal...

Sim... Muito bom mesmo, Gus!