terça-feira, junho 01, 2010

a good punk



Seis anos sem meu pai, fora visitas freqüentes, mas pouco contato. Ele agora está chegando definitivamente. Eu e minha mãe esperamos ansiosamente. Essa casa está à venda e esse talvez seja um dos últimos entardeceres que vejo por essa janela. Eu traço tempo vendo a linha do sol refletida no muro da frente, e sei as horas. Vejo as horas pelo céu, pelas sombras. Também sou observador de nuvens. Espero há duas ou três semanas, mas espero por uma definição de vida. Eu, por trás dessas palavras, tenho uma vida. Hoje minha mãe não se sente muito bem. “A paciência é a virtude das virtudes” escreveu Naduan Nassar em Lavoura Arcaica, na voz da triste senhora. Estou treinando a minha. O sol desce e as sombras sobem como uma régua, como um registro do tempo. E lá se vão as horas. "Só um dia o ‘porquê’ se levanta e tudo recomeça nessa lassidão tingida de espanto (...) no extremo desse despertar vem, com o tempo, a consequência- o suicídio ou o restabelecimento (...) porque tudo começa pela consciência e nada vale a não ser por ela." A.C. E Freud diria "papai-mamãe-a lei..." Blargh foda-se.

Ladrão de Entardeceres

6 comentários:

Fernanda Huppert disse...

Oi Gustavo

Tive poucas visitas de meu pai, sabe que posso dizer que até esqueci um pouco da sua fisionomia, e embora suas visitas tenham sido esporádicas, posso dizer , não em vão, que senti um pouco desta proteção paterna que eu na verdade nunca tive.Nossas referências de filhos deveriam ser sempre a de "não somos um pouco orfãos" somos filhos de pais presentes mesmo que ausentes um do outro.

Abraço

Fê.

Vanilla disse...

Eu não sei o que se passa...
mas você se expressa muito bem!
beijos "avanillados" lembra?

Papagaio Mudo disse...

oi Fê,

um abraço.

Gustavo

Papagaio Mudo disse...

obrigado Vanilla. Beijos aVanillados,

GuStavº

Papagaio Mudo disse...

>ºº<

Gisele Freire disse...

Bonito Gus!
Foto maneira tb!
»º0º«