quinta-feira, agosto 19, 2010

completato, chiuso



No início da primavera as pequeninas orquídeas do serrado florescem em suas "batatas" nas pedras, longe do alcance do fogo. Parece ser atávico eu querer me refugiar no alto das montanhas seguindo uma trilha em s ao contrário. A toca onde cabe exatamente uma pessoa. Parece um grande pequeno útero. Algumas aranhas, embaixo de uma pedra. O buraco se estende pra dentro onde eu coloco algumas velas e as coisas pequenas. O calor faz jus ao eufemismo. Pela entrada, olho as estrelas na amplidão. Observo todo o trajeto da lua. A noite é única, especial. Todos estão a salvo, aquecidos como pinto e galinha. Cavalinho de madeira corre com a boca seca e morro acima e se esfola e relincha e segue. Aliás, sabe seguir adiante, livre e galopante, cavalo sou. Galopa bicho doido, se apruma. Conserva o eixo nas curvas, segue seu instinto. Sua própria imagem. Deve ser isso. Associado à força bruta, é um bicho meio “burro”. Pasta, dorme, corre sem solto, sabe onde vai beber água do riacho, aquecer o pasto, ocupar espaço. Volto a fruir a Natureza lugar vazio de seres humanos. Do cume observo a Serra do Espinhaço, sigo em s ao contrário. Uma hora dessas, quebro meu jejum e tenho que descer ao mosteiro. Pólvora e tabaco.

Um comentário:

Liberté disse...

S - sentido; acima de tudo.