quinta-feira, novembro 04, 2010


“Mas poxa, Gu, você sabe que aldeia é “tudo”, não é?” – ela diz. “É...” – respondo, e tento ficar calado. Veio-me à cabeça aquela história da fogueira de Platão. Uma caverna e uma fogueira, uma caverna e uma fogueira... Aldeia é “tudo”. Certo, naquele momento eu já queria entrar em Alfa. Transmutar. È que aldeia demais me faz mal. “Você não perdeu nada.” – digo. O consolo maior era ficar ali, quietinho dentro daquele quarto, daquele sossego, olha pra mim. Dentro daquele aposento mágico eu rodopiava e girava pelo teto, pendurado pelos ombros em um elástico, onde havia uma fogueira artificial com luz alaranjada. Ficamos ali deitados, de barriga pra baixo, na cama. Ela repara alguma coisa que eu não vejo mais. Enxergo apenas as sombras do que acontece do lado de fora da “minha” caverna, em contraste com o brilho da fogueira. Lá fora venta e faz frio como se não fosse “aqui”, como no conto daquele escritor russo... Mas ficar aqui dentro? Melhor ficar aqui dentro. A fogueira agora está fora do alcance dos meus olhos, fora do meu campo de visão. Enxergo apenas reflexos.



.

Nenhum comentário: