sexta-feira, fevereiro 11, 2011

Salue Marie


Dobalé, laroye Exu. Sua mãe é professora de literatura da rede pública. Todos os dias à hora do anjo, seu irmão canta a Ave Maria de Gounod. A casa georgiana tem uma coleção Os Pensadores e obras de arte espalhadas por todo lado. Sua avó mora com eles e recebe cuidados especiais. Todos os dias ele convive com a deterioração humana que eu apenas imagino. Tenho uma vaga imagem do que seja. Não visito asilos. O cotidiano deve ser uma plena convicção da vida ou uma plena convicção da morte. A presença muda. Seu suave mundo ausente, representamem. As aflições da alma dentro de um corpo. O invólucro material. O etéreo. Não haverá esquecimento, pois as células vivas pulsam na linhagem de um teto, e séculos. A aura etéria.

Nenhum comentário: