quinta-feira, outubro 20, 2011

Frank Sinatra está gripado

No inverno de 1965, o escritor Gay Talese chegou em Los Angeles com a atribuição da revista Esquire de fazer um perfil de Frank Sinatra. O lendário cantor se aproximava de cinqüenta anos, e pouco disposto a ser entrevistado. Então Talese permaneceu em Los Angeles na esperança de Sinatra se recuperar e repensar. Ele começou a conversar com muitas pessoas ao redor do Sinatra - seus amigos, seus companheiros, sua família, seus puxa-sacos incontáveis ​​- e observando onde ele poderia encontrar o homem-em-si. O resultado, a crônica "Frank Sinatra está gripado", publicada em abril de 1966, se tornou uma das mais célebres histórias da revista já publicados, um exemplo pioneiro do que veio a ser chamado de Novo Jornalismo - uma obra de fato rigorosamente fiel animada com o tipo de contar histórias vivas que haviam sido reservados para a ficção. A crônica evoca um retrato profundamente rico de uma das figuras mais bem guardadas da época e conta uma história mais ampla sobre entretenimento, celebridades, e os próprios Estados Unidos dos anos de 1960.



Ele foi responsável pela mais famosa reportagem sobre Frank Sinatra sem ter conseguido entrevistá-lo. Como o cantor estava gripado e não queria falar com jornalistas, Talese procurou outros personagens do cotidiano dele e revelou o mundo de Sinatra de uma forma que dificilmente conseguiria sem ter o pedido de entrevista recusado. Gay Talese é um dos responsáveis por criar o estilo de fazer reportagens combinando técnicas jornalísticas com recursos literários. Ele trabalhou em jornais e revistas escrevendo reportagens como se fossem textos literários e livros e uma autobiografia como se fossem reportagens.




VOLTAR

Um comentário:

Papagaio Mudo disse...

O mais controverso perfil da história da imprensa americana foi publicado na “Esquire” em 1966. “Frank Sinatra está gripado” tratava dos 50 anos do maior intérprete da história da música popular do planeta, com uma peculiaridade: o autor jamais conseguiu entrevistar o personagem objeto de seu interesse.