domingo, junho 26, 2011

Homens e anjos








Uma vida hedonista. O que eu mais desejo, intimamente, com todas as forças do meu único desejo? O que, enfim, define a felicidade? Por que a vida é assim, pai? Por que esse “drink, all you happy people” enquanto nenhum olhar de anjo? É o riso? É o gozo? É a grana? É um mundo perdido. É o tempo perdido. É o signo de Deus que não conheço mais. Hoje parece que carrego um fardo antropocêntrico inefável.

Um comentário:

Adriana Godoy disse...

Pois é, é tudo isso e um pouco mais. Ou é nada disso. Gostei. Beijo