quinta-feira, junho 23, 2011

o melhor amigo do homem

clique na imagem


O homem diante do relógio enxerga a eternidade. Horas anestesiadas, Eus perdidos, vôos sem destino, rotações da Terra. Giro sobre o próprio vértice, horas de leitura, fases da lua.

Sou águia e você, um pedaço de carne. Sou Ícaro.


Cala, voz interior, cala! O que dizes não consigo suster ou assimilar. És boa ou má?

Finalmente um sorriso amarelo da Lua.
Essa voz meio rouca meio louca.
Afinal você,
enfim eu.

Um comentário:

Papagaio Mudo disse...

Finalmente um sorriso amarelo da Lua.
Essa voz meio rouca meio louca.
Afinal você,
enfim eu.