segunda-feira, novembro 28, 2011

homenagem ao malandro






Não sei se você entenderia isso... Ouvir João Gilberto me dá um banzo danado, saudades de África... ao ouvir na madrugada passos que se perdem sem memória. Uma “leseira” quase avant guard, o xique-xique de um pontinho de Nanã transformado em bossa nova. E daí? Daí eu penso em povos exóticos espalhados pelos cantões do mundo. Ai segunda-feira blues... nem todo céu é azul. Hoje uma chuva fina e intermitente encharcou a cidade. Lembro de você como ela agora. Toda molhada. Ah, solidão, é preciso perdão. Eu cansei definitivamente de tentar exortar a gradação cambiante de múltiplos matizes e tons de voz de um só enunciado. Agora eu vou fazer colagens. Vou vender bala no sinal.

4 comentários:

Dandara disse...

eu entendo passando passando por banzo, lesera e indo a avant garde. nanã tem uma cançãozinha, que eu me lembre.

p.s.: gatiña su gatiña

Adriana Godoy disse...

Bonito, isso, Gustavo. Profundamente poético. João Gilberto me dá um tanto de sensações, entre elas, uma vontade de estar no Rio, tomando chope com os amigos num fim de tarde. Beijo

Papagaio Mudo disse...

Oi Dandara,

Sou de Nanã, mas isso nem se comenta...

Gustavo

Papagaio Mudo disse...

Adriana,

Obrigado pelo poético. Por lhe atrubuir esse termo tão bonito.
Beijo,

Gustavo