quarta-feira, janeiro 25, 2012

Enfim, começos...





“No purgatório, quem sabe poderemos ver nossa própria face e ouvir nossa própria voz como realmente são.”


Lewis Caroll






Escrevo para agrupar pedaços da minha inspiração. Caminhos e território sem Espaço. Momentos que o tempo roubou, um retrato tingido de lassidão. As vezes que me deixei cair, perdido no deserto das ideias, a sombra da caverna e as retinas queimadas de sol. As vezes que arfei sem dor, sem beijo, sem ninguém pra pegar no joelho. As vezes que sussurrei pras paredes o que eu queria dizer pra Deus. Vezes em que a ponta dos dedos contraia meus nervos até o cabelo. Vezes que o suor seco se confundiu com as lágrimas secas e as mãos ressequidas. Vezes que a fumaça do cigarro me cegou e tudo que o passado prendeu por índices e sinais do acaso.

6 comentários:

Dandara disse...

tu acredita em deus é?

Teodoro disse...

e eu te leio para agrupar e descobrir pedaços de mim...

Papagaio Mudo disse...

Quanta honra Teo.

Papagaio Mudo disse...

Sim, menina Dandara, eu acredito em Deus. Talvez Ele é que não acredite em mim...

Hiago Soares disse...

E eu faço minha as palavras do Teodoro.

Papagaio Mudo disse...

Também fico muito honrado, Hiago. Obrigado.