sexta-feira, fevereiro 03, 2012

A terceira margem


Guimarães Rosa acendendo um cigarrinho


Em uma margem, o motivo poético e articulado da emoção é uma das principais características dos poetas da transpiração. O olhar sobre o verso como trabalho de arte conduz à construção do poema objetivo. Dos autores racionais, também conhecidos como poetas artífices, caso de João Cabral de Melo Neto, chamado de poeta do verso suado, artesanal,o poeta cerebral. Ao contrário dos poetas da fruição,para os poetas artífices não é o poema que se impõe, se não o poeta que se impõe ao poema, revisitando-o muitas vezes na busca da comunicação densa (em palavras), mas não emotiva. João Cabral de Melo Neto fala sobre a poesia e a palavra “A palavra precisa ser açoitada até encontrar seu lugar no verso. Não sou desses escritores de suspiros poéticos”. Na outra margem, os poetas da inspiração defendem a supremacia da inspiração à racionalidade. Um dos grandes poetas fruitivos é Vinicius de Moraes. Vinicius trafega entre o lirismo e a poesia urbana criada por Baudelaire.

À terceira margem, o grande escritor mineiro João Guimarães Rosa que também escreveu poesia. Ele trafega em duas águas, as da fruição e as da racionalidade. Porém, em seus poemas ele se aproxima mais de João Cabral no que se refere à linguagem literária. Na verdade, para o leitor não importa se a poesia é cerebral ou de inspiração. Importante é o deleite.


Medo da felicidade


Estremecemos juntos...
Que Potêcia má será a soberana
desse vento frio que passou?...


Distância sentimental

Mesmo ao sonhar contigo,
só consigo que me ames noutro sonho
dentro do meu sonho primitivo...


Um comentário:

Adriana Godoy disse...

Gustavo, adorei sua análise sobre as três margens. Perfeita. Os poemetos também. Beijo