quarta-feira, fevereiro 01, 2012

Vou ficar com o que eu tenho






Não quero caixas vazias. Não vou ser menos importante para mim mesmo. Mesmo que tenha que desistir de alguma coisa. Afinal, há ganhos que também são desistências, abnegações. Essas reflexões são como ser a matéria-prima de um escultor. O resultado da obra compensa as dores da lapidação. Profundo, mas não esquece a guitarra.

Um comentário:

Anônimo disse...

Parabéns, querido amigo. Parabéns!
Vamos preencher nossas caixas! O amor dá conta disto. Só o amor dá conta disto! Abração.