terça-feira, dezembro 04, 2012

a howl for a brow that needs to grow

Considero Neal pessoal que me apegaram de grude udegrude tristessa inválida alegoria do xadrez das damas e dos cavalos que avançam e bravamente morrem como tolos, considero válidas as damas vadias putas underground esquálidas garçonetes de beira de estrada talvez citadas em uma tarde ensolarada jamais no Sutra do Girassol, mas Jack, Keroak saberia tudo isso sem que o Buda o dissesse? Ou Ginsberg numa tarde ensolarada?, mesmo que ainda quentes, em todas as mentes brilhantes da minha geração, a vomição que deve ir paras frentes de batalha, mesmo que seja terrível, vergonhoso diante pais e de uma culpa ancestral nos persegue e nos impede de romper a moral e os maus costumes, então deixamos de ser Charles Anjo 45, deixamos de ser comemorados por nossos feitos dionisíacos em virtude da literatura desse grande pequeno mundo de pirataria de assalto a que toda hora somos tomados e de susto me pego preso no desconforto desse frêmito se ninguém me convida pra jogar a fazenda feliz. O mundo apolíneo que me faz querer surtar quando o corretor ortográfico teima comigo e me confunde em frases interas. Como se pode manusear assim uma porra de um texto? Eis mais que um uivo nessa merda, meio como que xingar Deus. Ah, caio, foda-se se você não estiver a salve nesse caldo universal ancestral semiótico ancestral do tempo!

um Uivo Pra Você Caio Campos nunca termina.
..

Um comentário:

Caiocito disse...

Nunca esquecerei! Obrigado. E foi vc que me deu coragem para querer publicar impresso.

e como você diz, foda-se, já deu tudo errado mesmo!

abs


Caio Campos