quarta-feira, maio 15, 2013

Discurso de Martin Luther King no dia 28 de agosto de 1963

Malcon X


“Eu estou contente em unir-me com vocês no dia que entrará para a história como a maior  demonstração pela liberdade na história de nossa nação”. 
Cem anos atrás, um grande americano, na qual estamos sob sua simbólica sombra, assinou  a Proclamação de Emancipação. Esse importante decreto veio como um grande farol de esperança para milhões de escravos negros que tinham murchado nas chamas da injustiça.  Ele veio como uma alvorada para terminar a longa noite de seus cativeiros.  Mas cem anos depois, o Negro ainda não é livre.
Cem anos depois, a vida do Negro ainda é tristemente inválida pelas algemas da segregação  e as cadeias de discriminação.
Cem anos depois, o Negro vive em uma ilha só de pobreza no meio de um vasto oceano de prosperidade material.
Cem anos depois, o Negro ainda adoece nos cantos da sociedade americana e se encontram exilados em sua própria terra. Assim, nós viemos aqui hoje para dramatizar sua vergonhosa condição.
De certo modo, nós viemos à capital de nossa nação para trocar um cheque. Quando os arquitetos de nossa república escreveram as magníficas palavras da Constituição e a Declaração da Independência, eles estavam assinando uma nota promissória para a qual todo americano seria seu herdeiro.
Esta nota era uma promessa que todos os homens, sim,  os homens negros, como também os homens brancos, teriam garantidos os direitos inalienáveis de vida, liberdade e a busca da felicidade.
Hoje é óbvio que aquela América não presentou esta nota promissória. Em vez de honrar esta obrigação sagrada, a América deu para o povo negro um cheque sem fundo, um cheque que voltou marcado com "fundos insuficientes". 
Mas nós nos recusamos a acreditar que o banco da justiça é falível.
Nós nos recusamos a acreditar que há capitais insuficientes de oportunidade nesta nação.
Assim nós viemos trocar este cheque, um cheque que nos dará o direito de reclamar as riquezas de liberdade e a segurança da justiça.
Nós também viemos para recordar à América dessa cruel urgência.
Este não é o momento para descansar no luxo refrescante ou tomar o remédio tranqüilizante do gradualismo.
Agora é o tempo para transformar em realidade as promessas de democracia.
Agora é o tempo para subir do vale das trevas da segregação ao caminho iluminado pelo sol da justiça racial.
Agora é o tempo para erguer nossa nação das areias movediças da injustiça racial para a pedra sólida da fraternidade.
 Agora é o tempo para fazer da justiça uma realidade para todos os filhos de Deus
.







Um comentário:

Mariana Leal disse...

Já estou te seguindo
seu blog é maravilhoso, convido você e suas leitoras a conhecer meu blog
http://toobege.blogspot.com.br/
beijinhos