quarta-feira, outubro 02, 2013

"O CD está morto"


Gustavo Perez
Que tipo de transporte você toma normalmente?

Julien Djouls Lakshmanan            
Eu moro em Paris, na parte nordeste de Paris, vigésimo distrito. Eu divido um apartamento com meu parceiro de gravadora, Grant Phabao.
Moramos a três de metros de uma estação de metrô, então eu uso muito o metro.

Gustavo Perez
Certo. Quanto tempo leva de onde vocês até o centro e Paris? Quero dizer. O que é “viver bem” na França? Lembrando que essa é uma entrevista informal.


Julien Djouls Lakshmanan
Posso estar em qualquer lugar na Paris de 15 milhões de habitantes, partir da estação do metrô, em volta de 45 minutos.
Viver bem... Não posso dizer que estou vivendo mal, mas classificar-me entre os pobres, ao contrário dos ricos. Não há classe média mais realmente aqui. Bem, do meu ponto de vista.

G.P.
O quanto você está ligado à África e qual a sua relação com o continente?

J. D. L.
ParisDJs não traz muito dinheiro, mas são graças a ParisDJs que eu tenho quase todos os meus trabalhos.

G. P.
Você já esteve em África?

J. D. L.
Gosto de África. Por que eu deveria gostar de um continente, não sei... Nunca não estive lá. 
Eu mesmo sou de origem indiana (da Índia, África). 

Tenho trabalhado com pessoas do mundo todo, sem distinção de cor ou de origem. 

É o talento que busco nelas.

G. P.
Você assiste televisão? Essa é apenas uma pergunta de foro antropológico. 

J. D. L.
Não. Eu não assisto TV. Alguns jogos de futebol e eventos esportivos com os amigos de vez em quando... Eu assisto alguns DVDs aqui e ali.

G. P.
Como surgiu a ideia da gravadora?



J. D. L.
Quando eu comecei a ParisDJs sete anos atrás. Decidimos fazer mixtapes porque Willie Hutch havia morrido e ninguém estava falando sobre ele. Então nós fizemos mais misturas... 

Foi quando me deparei com um cara em busca de soul que tinha pastas de música de toda a África classificadas por país, quero dizer, um monte de música que eu não conhecia. Ele me deu as instruções e comecei a fazer algumas mixtapes afro. 

Como a ParisDJs estava entre os primeiros a expor algumas  batidas raras do afrofunk, afro highlife, logo começamos a procurar os registros.


G. P.
A busca dos registros começou em qual ocasião? De que maneira você foi buscar essa informação?



J. D. L.
Então, tornasse uma espécie de especialista em música afro aconteceu por acidente, não porque eu tinha os registros. Por causa das mix e do site, com o tempo, me tornei amigo de jamaicanos, africanos, músicos de Fela, do Antibalas, da Afro Beat Academy. 
Eu organizei o primeiro show do Ebo Taylor na Europa, porque as bandas de apoio eram meus amigos desde os poetas do ritmo...
Hoje eu tenho Franck Biyong em casa, que co -produziu o seu mais recente álbum, e estamos preparando um LP do funk Afro do Phabao Orquestra do funk Afro Grant com muitos convidados ...

G. P.
Você vai gravar isso em vinil? 

J. D. L.
Esperamos que sim. CD está morto. MP3 (ou WAV) substituiu o CD. Então vinil está de volta. Apenas vinil significa algo fisicamente. Nós também vamos fazer algumas capas com nosso incrível designer gráfico Ben Hito. (click no nome de Ben Hito para ver uma exposição de suas capas)
O primeiro é para o nosso medo Afro/Tropical compilação 'Dis Is Good For You'.




“oCD está morto. Então vinil está de volta.” 


“Apenas vinil significa algo fisicamente.”




G. P.
Como e onde você faz suas refeições? Você come fora e casa? 
Sabe cozinhar, ou tem alguém que o faça pra você? 



J. D. L.Minha mãe teve três meninos e todos nós sabemos como cozinhar. Tanto a comida francesa e indiana.

G.P.
Opa! Eu adoro comida indiana.
Na maioria das vezes você, quero dizer, realmente faz sua própria comida?

J. D. L.
Sério. Do curry de qualquer tipo para todos os tipos de bolos e tortas.
Lendas jamaicanas do Studio One quando vêm gravar em nosso estúdio pedem alguns Chile do Djouls ou salads do Djouls porque são lendárias para eles, para você ter um exemplo.

Não posso estar falando mais sério do que isso sobre comida.

G.P.
Ok, eu acredito. O pode parecer uma grande mentira engraçada? É a mais verdadeira lenda.

J.D.L.
Diga ao mundo: eu alimento o povo!

G. P.
Fantástico! Mas pode ser que eu esqueça algumas palavras... (risos)
O que você espera com seu trabalho, afina? A música está a mudar alguma coisa?

Julien Djouls Lakshmanan
Levou 10 anos até surgir a prova de que o meu trabalho estava mudando alguma coisa. Comecei djouls.com em 96 (páginas web personn de início, com dot oficial em 99), e eu escrevia sobre pessoas que você não se encontra qualquer informação a respeito na França na web: Frank Zappa, Medeski Martin & Wood, Phish, Sly Stone, Herbie Hancock, Ninja Tune, Warp, Wax Mo ' e alguns outros... 

Dez anos depois eu comecei a conhecer pessoas que me disseram que haviam descoberto Medeski em 98 graças a mim. 

Esses dias agora eu conheci pessoas que me disseram que têm lido meu trabalho por mais de 10 anos e que ele fez a sua formação musical. 

Então, eu estou mudando as coisas para algumas pessoas.

G. P.
Veja, isso é bom!

Julien Djouls Lakshmanan
Em termos de produção, estamos tentando trazer as pessoas que trabalham com as novas high tech e muitos adoram trabalhar conosco, porque a sua música e imagem nunca tinha sido tão boa. 
Tentamos fazer a qualidade...

G. P.
Onde você toca como um discotecário em Paris?

J.D.L.
A gente não discoteca muito. Eu deveria fazê-lo mais, mas não me convidam muito. 
Eu não quero ter o trabalho de um DJ real, mas se alguém quiser reservar algum ParisDJs de música eu posso fazer.






"A principal coisa para mim não é o quanto eu faço, mas o que eu posso trabalhar."


Gustavo Perez
Você já esteve no Brasil?

Julien Djouls Lakshmanan
Eu nunca fui ao Brasil, mas antes eu tinha 10 anos tinha uma camisa da equipe de futebol de Brasil.
Escrever sobre os outros por tantos anos nos deu uma lista de endereços grande de artistas e gravadoras e profissionais da música já feita. 

Agora nos tornamos com Phabao uma unidade de produção real, fazendo tudo por nós mesmos, então estamos parando o podcast de mix (música livre) para se concentrar na ParisDJs como uma marca..


Gustavo Perez
Você espera então que a ParisDJs se torne uma marca, um selo de qualidade?

Julien Djouls Lakshmanan 
Acredito que sim, claro. Por exemplo, no verão passado fui convidado a refazer o site do George Clinton, porque as pessoas ao redor G.C. me conhecem, tenho fé no meu conhecimento e compreensão G.C. (eu revi todos os seus álbuns até os anos 80), e sei que posso lidar com uma grande quantidade de informações adequadamente.
Por causa de Paris DJs que eu faço o site do G.C. (não está aberto, ainda que já esteja pronto).
ParisDJs é uma marca atualmente, que vende música. Nós somos produtores e editores de nosso trabalho.
A principal coisa para mim não é o quanto eu faço, mas o que eu posso trabalhar.
Basicamente, nos fundamos o site de Loik Dury (ele era o programador da New Radio na França em 87-97). Mas eu faço tudo. Algumas pessoas vêm para ajudar aqui e ali. Atualmente Nicolas Ragonneau escreve alguns comentários, entrevistas e promoções com alguns dos networkings

Grant Phabao faz a masterização para quase todos os remixes e singles já colocados, além de toda a produção que faz. 

Loik está sempre lá para ajudar com a montagem e direção. Seu estúdio fica a 500 metros de distância do nosso...



G.P
Você gosta de futebol?

J.D.L. 
Futebol tornou-se algo absurdo, mas eu ainda apoio PSG (Paris Saint Germain), sempre. Eu vou ao estádio uma vez ou duas vezes por ano apenas, mas não muito ligado.

G. P.
você já fez algo ligado ao Brasil?

Julien Djouls Lakshmanan
Eu fiz produzi uma “bossa eletrônica e samba soul psicodélico” álbum de compilação, porém, no início de 2000. 

G. P.
Julien, gostaria de agradecer enormemente pelas palavras. A entrevista que você nos concedeu foi de estremo valor para o engrandecimento da nossa cultura, em termos de informação. 

E obrigado pela excelente conversa!



J.D.L.

Eu também gostei do papo, Gustavo. Espero ter esclarecido todas as suas perguntas. 

Também agradeço. 






Julien ‘Djouls’ Lakshmanan, juntamente com o multi-instrumentista Grant Phabao, é idealizador, fundador e produtor da ParisDjs.com 
Responsável pelas mais cotadas mix da internet que são compartilhadas pelo mundo afora por de milhares de pessoas ‘Djouls’ ainda discoteca e encontra tempo para responder às perguntas sobre comida vegetariana e meios de transporte. 

Explore a maior comunidade de artistas, bandas, podcasters e criadores de música e áudio na internet.


ParisDjs



2 comentários:

Raquel disse...

muito interessante a entrevista com um parisiense. queria ter um metrô que levasse em qualquer lugar de belo horizonte em 45 minutos. dentro da região da pampulha eu chego em qualquer ponto em 45 minutos, mas dependendo do lugar a viagem pode demorar 1h30.

Eduardo P.L. disse...

Ótima entrevista.