sexta-feira, novembro 08, 2013





Meu texto criança. Hoje, dormir como anjo, e assim seguidamente até acabar... Quero noites de sono até que o sono passe, o ano passe e até que o último ar do cronômetro se esvaia. Não sou coleguinha, azar o meu, mas não troco provinha de matemática por um momento juntos. A cegueira me conquistou e a paixão é ver-se vencido na inocência real. Não analisa o real como real, mas como estético, como na viagem do xamã donde num movimento drástico, paradoxalmente, não se sai do lugar. As viagens xamanísticas são viagens verticais, para cima ou para dentro, e não horizontais, como a viagem do herói clássico. É por essa razão que aqueles que realizam tais viagens são xamãs, curas, poetas, padres e loucos porque, de algum modo, se dispuseram a chegar no fundo do poço de sua própria cultura. O caminho da marginalidade então se alimenta do sentimento de segregação, onde normalmente colocamos esse seleto grupo. Cuida bem do menininho...

Nenhum comentário: