domingo, novembro 03, 2013

o torvelinho de ouro



Pink, não fique brava comigo. Eu não fiz nada. Mas por que tem que ser esse yeyeye tempestuoso, essa aprendizagem? fazendo de cada dia um dia mais absurdo que o outro? Faz o meu entardecer um pouco mais brando. Consigo acalmar essa solidão de looking for your eyes. Afeição perdi há tempo, por qualquer coisa que se mova. Meu peito está engasgado, constantemente. Essa dor, essa cachaça, esse tormento. Deito fumo, durmo, sou parte do universo, fantasma na sombra. Continuo dizendo, não fique brava comigo. Estou aqui. Eu quero essa bossa and Beatles. Nada de apito de guarda policiando nossas vidas. Desdenho quem nos queira comprar. Estou um tanto estropiado pela vida, mas não vejo nisso uma desculpa par não viver essa noite. Sustentar o peso de um sorriso frágil, mediano, calmo. Reviravoltas no lençol da cama. Louvado seja o homem invisível, o tal fantasma na sombra. Caminhos do passado que nem me lembro mais. Não é uma noite ruim, apenas mais uma noite de paz. Eu te darei o torvelinho sagrado.

Nenhum comentário: