quarta-feira, janeiro 22, 2014

encontro das águas

Evoco a correnteza
Sou rio, o fluxo frenético
do meio

Sou cavalo de madeira
o intervalo
entre uma vida inteira

Encarei o abismo
e o que vi foi a mesmo

Sou delírio a esmo
um visionário devaneio

Passei por onde as cobras
desci o rio
cruzei o brejo

no
encontro das águas,
ao mar
do além Tejo

se leve, pássaro,
se lento, lebre

se fácil, homem
se fóssil, morcego


se supra some
em seu próprio

supõe-se que tenha sido por conta de uma incontrolável crise de nervos,
mas qual!

O homem estava acima ou além,
se sobrevém o meio termo

um acordo entre o céu
e inferno,

Érebo
Orco
Hades

Caldeira de Pedro Botelho...

Nenhum comentário: