terça-feira, julho 15, 2014

Afinal, o que é o texto?



“O grafite está para um texto, assim como um grito está para a voz”
Paulo Leminski

            

Grafite ou grafito (do italiano graffiti significa em Latim e Italiano “escritas feitas com carvão” grafite vem da palavra graphein, que em Grego significa escrever, sendo também o nome que se dá ao material de carbono que compõe o lápis. Mas, se analisarmos em termos mais genéricos ainda, até mesmo as pinturas rupestres, dos Homens das cavernas, podem ser consideradas uma forma Pré-histórica do grafite.
Considera-se grafite uma inscrição caligrafada ou um desenho pintado ou gravado sobre um suporte que não é normalmente previsto para esta finalidade. Por muito tempo visto como um assunto irrelevante ou mera contravenção.









G.P.
Mosh Moshi, o que o levou ao grafite?
.
M.M.
Desenhos de figuras que via na cozinha da minha primeira casa... parede descascada.
.
G.P.
Você desenhava já na infância? Quanto às paredes...
.
M.M.
Me lembro que gostava bastante de colorir no primário, os desenhos e descascados na parede era uma inspiração a mais...
.
G.P.
Que posição você tem hoje a respeito do pixo (pichação)?
.
M.M.
O pixo para mim é como a inscrição rupestre, é humano, expressivo como qualquer arte que quer comunicar... a compreensão e razão é outra coisa.
.
G.P.
Como você partiu para o grafite?
.
M.M.
Na escola... rabiscando a carteira, escrevendo no banheiro. Colando desenhos pela escola, desenhando na mesa de ping-pong...
.
G.P.
Bem, hoje você é contra o pixo? A partir dos rabiscos na escola ao grafite é um salto muito grande... como conseguiu isso?
.
M.M.
A questão para mim não é ser contra ou a favor, eu acho que é uma importância evidenciar se é arte ou não, ele tem uma dinâmica isso é importante, estética, composição, agenda, identidades, principalmente BH, Rio, SP... 
.
G.P.
Você tem uma disciplina de trabalho diário com o desenho?
.
M.M.
Sim, sempre antes da pintura. O desenho é como um estudo da pintura. Mas ultimamente a disciplina está sendo com a pintura.
.
G.P.
E como você faz com a dimensão do grafite? Imagina antes, ou faz um rascunho?
.
M.M.
Depende do momento, do suporte... o local pede, comunica com o subconsciente o que mais se adequa. Pelo menos comigo é assim.







Afinal, onde está o texto?

Um giro pela arte


O texto está por toda parte
 
arte rupestre - Sua interpretação é difícil e está cercada de controvérsia, mas pensa-se correntemente que possam ilustrar cenas de caça, ritual, cotidiano, ter caráter mágico, e expressar, como uma espécie de linguagem visual, conceitos, símbolos, valores e crenças. Muitas composições são louvadas pela sua beleza e refinamento e seu apelo visual. Acredita-se em geral que estas pinturas tenham um cunho ritualístico ou mágico, com uma simbologia relacionada principalmente à caça e à fertilidade. Na Caverna de Altamira (a chamada Capela Sistina da Pré-história), na Espanha, a pintura rupestre do bisonte impressiona pelo tamanho e pelo volume conseguido com a técnica claro-escuro. Em outros locais e em outras grutas, pinturas que impressionam pelo realismo. Em algumas, pontos vitais do animal marcados por flechas. Para alguns, "a magia propiciatória" destinada a garantir o êxito do caçador. Para outros estudiosos, era a pura vontade de produzir arte. A importância do estudo da arte rupestre deve-se, não tanto à interpretação das figuras existentes, mas antes obter um entendimento dos motivos e contextos que levaram uma comunidade a usar muito do seu tempo e esforço na execução da dita arte. Como estas sociedades primitivas se estendem no tempo e na sua essência são consideravelmente diferentes das nossas vivências atuais, o estudo da arte rupestre de forma científica permite analisar o comportamento do homem em contextos muito díspares, pelo que acaba por ser de certa forma um estudo trans-disciplinar entre a psicanálise, a antropologia e o nosso próprio conceito de arte
















Na vida passei
Na roda de samsara cantei
Nos bosques entre a lua
amei
No mato entre as árvores
Refugiei
Entre o passado
o presente
e o futuro
Eu não sei





Nenhum comentário: