sábado, julho 05, 2014

Neymar, Apolo e a Medusa






               
Batendo um bolão mitológico


A mitificação deve ter nascido com o primeiro Narciso filho de Adão, ou com o próprio Adão bíblico, depois de ter tido acesso à árvore do Conhecimento.
Muitas maiúsculas merece este primeiro parágrafo!
Falamos de mitos.
Do insondável que jamais os atinge, pois que estão absolutamente superiores ao bem e ao mal. Agora, não em maiúsculas... Neste parágrafo, bem & mal humanos. Portanto, estão de bom tamanho.
Então, o atual ídolo brasileiro do futebol (teríamos outros ?!) é desgraçadamente atingido com violência por um antagonista. Previsivelmente, sofre como os Ídolos, contorcendo-se em dores ocasionadas por seu oponente. Tristíssimo, porém, digno de um Mito.
Arriscaria dizer que, em sua idolatria, conscientemente ou não, os adoradores apenas aceitariam tamanha perda sendo ele, o Ídolo, e não outro, a ser imolado num ritual trágico assistido por até onde atingirem as imagens... nos confins da Terra.
Evidentemente a sede de mitos e a desesperada busca na eleição de quem ocupe este lugar reflete a sociedade e sua atávica necessidade de ser gerida, conduzida por um ser Ideal e idealizado, que seja, minimamente, um semideus.
Afora estes palpites levemente piscologísticos, ou, antropológicos, constatamos que o mundo não muda tanto. E está sempre inovando, seja na mitificação, seja na fanática condenação aos grupos que alimentam -até fisicamente - ao que lhes é sagrado; seja mesmo na contínua procura por algo/alguém que suplante tudo o que já até o momento foi criado.
Adentrando com a licença de Jacques Lacan - outro mito! - numa área de convergência psíquica, o Homem existe pela Falta.
Por ela e por seu vazio, e na busca, vivemos. Nunca satisfeitos, seguimos, idólatras de nossa ausência. Estranhando o Objeto quando em contato com ele.
Contudo, vamos ao que interessa:
Neymar, força e saúde para você!
Há milhões torcendo por sua recuperação e espelhando-se em suas atitudes.
Sim, isto é um fardo pesado para o garoto que você é, mas...É coisa de Mito .
Vai, Brasil!



                                                    Cida Valle


3 comentários:

Dulce Miller disse...

Sim, é coisa de mito! ;)

Texto ótimo, parabéns querida!

Beijo

Cida Valle disse...

Visita da Moça e o sonho! Conto com sua presença, Dulce! Obrigada, um beijo!

Manuel Pintor disse...

É de mitos que a fraca força humana se alimenta, construindo-os o mais além possível da sua própria norma. Por isso, vale tudo para que sejam preservados de qualquer humana contaminação! Mas, se por qualquer desproteção do destino, caírem do pedestal, não mais se levantarão nem tal lhes será permitido, pois outros serão de imediato construídos.
Que os moços continuem a pontapear o esférico com saúde e arte, para sua e nossa alegria! A vida não é linear, nem redoma.
Chuta aí, Cida! Beijo!