quarta-feira, agosto 13, 2014

Antes do amanhecer


Belo Horizonte, 13 de agosto de 2014.
Ano do cavalo.



Pesseguinho,

Consagro a hora em que a maioria das pessoas dorme para deixar escapar a inspiração. Espero sinceramente que minhas palavras não sejam em vão.
Não quero rimar amor com dor, amante, amigo, irmão...
Agora, as vozes do abismo concebem o grande adeus. O tipo de tchau mais triste que existe. Idealizam o denso momento. E o passado pressente a indelével comoção.
Enfim, o medo e a distância lembram aquele nascer do sol que nunca chegamos a ver. Nele, um minuto sem desejo se perdeu. Pela estrada da vida, pela via das dúvidas. Erro e pecado pesaram solitários.
Carinho e cuidados chegaram sedentos à beira do rio.
Bem nos amamos como nunca viu.
Então, a despedida inexiste.
Amanheceu.


Gustavo
hoje será um dia feliz
...

Um comentário:

Adriana Godoy disse...

Bom te ler, o facebook me consumiu. Mas quando venho por aqui sempre é bom encontrar velhos amigos. Lindo texto. Beijo, Papagaio.