sexta-feira, outubro 17, 2014

Imodestamente





Imodestamente


Imodestamente, lento e sem brilho
Eu chamo isso de medo
esqueci o Mardou – abatedora
de cães cansados da ​​perseguição

jogando cartas na infinita highway
à sombra de um limiar sem fim
e
semanticamente contemplo
a voz magricela do gatilho

mosquitos na porta, mão e caneta
associada à peças do infinito
nuvens e tomadas da corrente elétrica e
excentricidades do domingo

encaracoladas na espiral do umbigo
sem o desfecho definitivo
tocando desanimado meu pinto
ontem de tarde, cochilo

eco
na catedral do chakra
tórax, e pio de passarinho
palavras
no raminho sem espinho
roem meu panfleto informativo




Fazer upload escolher arquivo

Nenhum comentário: