domingo, abril 26, 2015

Notas


Menino-rei-menino
Como prisioneiro preso na jaula
minha pobreza é pássaro de argila
sou mãos desajeitadas de atitudes
assobios esculpidos de menina

assim parto em mil pedaços de madeira
sem provar a natureza da figura
e destarte você parte pro outro mundo
e que quebrou, cabras, bodes e ovelhas

e verbos transformei na lua
e galos e crianças atiram coisas velhas
minha arte miserável sem bravura
no poço quão intensamente

animal gaiola lira rude
olhou pra mim do alto baixo em...
problemas cardiais crispavam seu desdém
e me esqueci que cantava pra mamãe

gradualmente desprendeu-se
arremetendo asa-de-telha-ataúde
batendo em retirada quando pode
entendo esse balbuciar alienígena

e vagamente fui um sonho androide
boletim se meio adormecido
uma visão fugaz de mim
meus diabos apareceu de novo

e olhei para baixo as escadas
e deitei sobre a luz branca
e o coração-preguiça te perdoo
caminho até agora seus anos de declínio

Nenhum comentário: