quarta-feira, maio 27, 2015

meditação inconclusiva


A solidão é a sorte de todos os espíritos excepcionais.
Arthur Schopenhauer





Escrevo embalado pelo bucólico Chet Baker. A coisa é que quem está fora enxerga o que está dentro, mas o contrário não acontece. Faz frio. Um frio ducaralho. Agora gostaria de dizer umas coisinhas, mas a síndrome do pânico ainda me acompanha. sabe Deus até quando. Isso para quem acredita em Deus... Eu queria ter o senso prático de não crer em Deus. Como questiona Dostoiévski se Deus não existe então tudo é permitido? Bem, as coisas não andam muito bem. Nunca está tudo bem, mas a vida só anda para a frente. Estou cansado. A paranoia se deve ao fato de que ainda não encontrei uma boa posição para digitar e o avanço da hora. Eu confesso: amei a madrugada. Hoje não temos a mesma relação de antes. Podemos, no máximo, ser amigos. Hoje, por falar em amigo, um grande faz aniversário. Acho que devido a vários fatores que sempre acompanharam a condição humana - solidão, isolamento, falta. Sim, de modo geral falta. falta de algo que nunca saberemos... Passei um período de grande sofrimento. Agarrado ao objeto de desejo. Triste de não tê-lo. Infeliz com a nefasta substituição pela droga. Objetos podem inclusive serem sentimentos. Por exemplo, o pessimista só é feliz se estiver triste. Enfim, sempre, mas todavia nunca enfim. Quando nascemos perdemos essa união com o todo que nos fazia tão completos. Minha coluna vertebral dói, mas isso é um bom sinal. Os românticos da segunda fase do romantismo da literatura no Brasil buscavam essa união com o Todo, carentes de preencher esse incompletude humana. Eles se ligavam à natureza - Deus, segundo Spinoza. Certo que outras características como exaltação da tristeza, idealismo, etc. não eram bem um bom caminho. Porém, quanto ao contato com a natureza Rainer Maria Rilke escreveu nas Cartas a um jovem poeta se você se sentir só vá para a natureza. A natureza não te julga, mas, sempre há uma incompatibilidade como escreveu John Donne nenhum homem é uma ilha...

Nenhum comentário: