segunda-feira, agosto 31, 2015

50

 
 
 
 
Parece que as coisas não acontecem e de repente se acontecem e tecem a longa rede da realidade que vai se alternando entre bons e maus momentos. Vai-se acalmando como uma lenta, leve, suave melodia que dorme ao meio dia, vai-se do aéreo da mais culminante nota no tom mais elevado do jazz, da batera, do tumtum, papum, e acaba no piano ma no molto, alegro ma no moltopresto ma no moltoadágio. Lembrei-me da minha incansável stamina para certas coisas. Enquanto a fenda da vida não se abre, tudo corre rápido, vai e acaba. A música e recomeça, e eu, meio tonto, não ligo, relaxo. É assim. Não me leve a sério, permanece o mistério. Suave aroma de cânfora, chocolate e vinho. Perfume francês e cafezinho pra depois. Rememorando aromas.

Nenhum comentário: