segunda-feira, agosto 31, 2015

Já é...

Hoje já é segunda-feira – descontinuidade, não mais o ano do cavalo...






Heis-me aqui, a mergulhar no vazio – assim seu corpo cheio de graça. Quando se acaricia essa moça, uma doce princesa – venho ao amor como na vida eterna. A porta fechada dos sentidos, sentir-se, como uma formiga que se arrasta. E – então no início do sexo, a tensão do fogo se contém na fonte. Não posso evitar a nudez desse rio. Resvala em meu rosto suave arrepio e no final pequenas brasas... Quando abraço sentimentos como folhas tremem - celebrar também mesmo sem abraços - recordando conversas...

Nenhum comentário: