sexta-feira, outubro 23, 2015

zero






Como em um vaso de mágico por beber,
no espelho dissolve lentamente seu aspecto
depois joga uma mistura do seu sorriso pronto

Aguardando o que aconteceu,
em profundez madeixa de cabelo,
mecha por mecha infundindo e,

desde o vestido expondo languidamente
seus ombros brancos e bonitos
silencioso sorver o seu caminho


Mas não assim como no amor,
esquecendo-se de tudo no mundo
corrosivo, dúvida, e um sinal 


Na parte inferior do espelho
provoca amor e precipitação tardia...

Nenhum comentário: