quarta-feira, fevereiro 17, 2016

Enfim





Enfim, o que "dizer" aqui?
Enquanto as pessoas esquecem que tiveram um passado, eu estava olhando meu caderno, procurando uma passagem em que digo que "um dia meus irmãos vão ler e vão rir e vão chorar.", algo assim. De um jeito ou de outro, talvez eles chorem mesmo. É bem possível. Impossível é encontrar as palavras escritas à mão no meio da confusão dos signos. Eles aparecem radiantes mostrando coisas que eu não havia visto, pois quando viro a página é "página virada". Eu nunca leio o que escrevo e é "também" por isso que escrevo. O que faço é pintar um pálido registro do que vejo e do que sinto. Falar da minha família é notícia antiga. Como aquelas novelas que se repetem e se perpetuam até ficarem velhas, e  continuam determinando a moderna tradição cultural. Bem, é difícil trair a facção, 'cês sabem (Por isso eu nunca pedi o resgate. Mas esse é outro assunto...). E as palavras continuam se reproduzindo igual coelhos. E minhas ex-namoradas diziam "Mas eu nunca vejo você lendo ou escrevendo." - e eu respondia sem pensar, no tempo que teria para pensar...
__ Talvez porque eu esteja ocupado demais com você!
Bem, estou aqui. Agora o que eu mais faço é ler e escrever. 
A Kiki foi embora. Voltou pra "família" dela. 
Toma mais um limão... Kikikiki ki você fica bão

Nenhum comentário: