terça-feira, março 01, 2016

Tamanho original






A madrugada é toda minha. Tomarei um banho na “hora morta”. Quem estará comigo? Sinto-me um bosta. Serei uma boa companhia pra mim mesmo. Eu achava que era, mas fui  devastado por dentro pela consciência do próprio peso. Algumas pessoas me ajudaram, mas isso é problema delas, também, talvez. Estou aprendendo a me perdoar, como as fadas do divã. Amanhã serei “melhor”...  Ainda sinto um pouco de remorso, raiva, rancor, essas coisas que o ser humano sente. Parte-me ao meio e me ergo. Sentimental e sentimentalista até doerem as hemorroidas. Ultrarromântico fora de moda. Lágrimas doces para você? Sinto vontade de rir e ir embora. Afirmo e pergunto. Minhas palavras não servem mais pra nada. Mergulhei fundo na demais sua realidade, então ficou difícil voltar. Ficou difícil dormir, difícil até de fumar um cigarro. Mas força! No meio de um bando de pessoas ninguém quer ser o otário. Ninguém quer ser vítima de sua própria história desastrosa.Todos aplaudem, mas alguém tem que morrer de fome. Eu quero comer a sobremesa. Vem petit, meu anjo perverso.

Um comentário:

Pedro Lima disse...

q bom experienciar suas palavras outras vezes,
palavras que amenizam e temperam
há gentes viciadas nelas
saudações papa gajo