terça-feira, maio 10, 2016

nunca mais perder-me de mim





É... Por que a cada dia eu quero deixar minhas impressões? Tenho contato com poucas pessoas. Guardei você dentro de mim. Fico pensando o que você está fazendo, e onde. Quais coisas eu falaria para você agora?, depois de tantos anos. O que eu perguntaria? Tenho essa curiosidade diária de saber onde você está. Saber quem são seus colegas, seus novos amiguinhos. Eu não consigo esquecer aquela noite em que fui te ver na Federal. Lembro de você vibrando ao me ver. Mas naquela hora eu já estava fraco, magoado, ressentido. Eu já estava isolado dentro de um quarto, dentro de mim mesmo. Engolindo vírgulas. Desacreditado pela militância da adicção ativa. Outros tantos adjetivos, outros tantos sentimentos, que tive uma revelação quanto à mesurar tudo isso - quão? Fiz uma travessia árdua, difícil de contabilizar perdas e danos. Como contabilizar e determinar "o quê" e "como" as pessoas são? Eu te digo. O ser humano é imprevisível. Principalmente os psicopatas, claro. Eles não saem na TV, mas são personagens de novela, da novela da vida real... Um fragmento, um recorte do destino.

Nenhum comentário: