quinta-feira, julho 21, 2016

fumando maconha o dia inteiro no quintal


Não adiantasse se esconder. Não adiantasse ir longe sem saber aonde se vai. O mundo inteiro cabe dentro de nós. Todos os problemas latejam dentro de nós. Não importasse onde se esteja. A falta de comunicação é sempre um problema. Principalmente quando qxiste uma pequena leadership, liderança, hierarquia fuleira, falsa, forjada. Motivo pelo qual se faz de uma pessoa vazia que fique ainda invisível, quando o freguês anda lá com alta baixa-estima... Há que estar sempre pronto para responder o que for, ou o homem tolo te evitará. "Não sei não...", meio-termos, dúvidas, silêncios que não dizem sim nem não respondem. Uma merda! Chupa ô desgraça! É difícil viver incompleto e não saber desse autoengano, dessa falácia. Puxar sem soltar o ar. Olhar sem ver direito ao redor. Estar-se preso a si mesmo como a maior das compulosões. O jardim é interno e agora estou de volta ao silêncio. Silêncio ainda mais silencioso do que onde se passava o dia inteiro. Um tabuleiro onde não assei o pão, pois não havia forno, mas havia um propósito em mim, e quem tem um propósito se faz companhia a si. Apesar dos perigos, apesar das armadilhas... Sim. O convívio é uma merda. Uma grande merda onde já se sabe, a princípio, que não se bem vindo, bem olhado, bem quisto. E assim se vai, de lá pra cá, tentando um lugar na sombra... Porra nenhuma.

Nenhum comentário: