terça-feira, julho 26, 2016

saudade


Hoje é terça-feira. Um dia que mais ou menos funciona. Vou para o quintal pegar os últimos raios de sol. E fumar um cigarro. O sol cai em cobre os meus olhos. Um abelho me ronda. Desceu. Está descendo. À essa hora ele se coloca em poucos minutos.  Vejo bem a silhueta das palmeiras. Hoje estou arrumando minhas coisas, arrumando o quarto, a começar pelas gavetas, tudo. Já joguei muita coisa jora. Elas não... Quero apenas algumas coisas guardadas. Outras à mostra, que são pra serem mostradas. Algumas que sõo pra serem guardadas com carinho. As que guardei merecem uma pequena seleção. Pequena porque parece que diminuem cada vez mais. Minhas memórias... Vejo, à miúde, é ridículo o nível de importância que dou ao que me resta. A letra vem depois da letra e a palavra e... avante.

Nenhum comentário: