terça-feira, março 21, 2017

diálogos




Noite sem Luar


Parece seresta. Abre o link, sua besta. Abrir o link parece coisa de besta. Melhor mesmo seria não dizer nada... e fico por aqui. Bons sonhos, cachorro de quartzo. A primeira vez que fui ao Cipó, uma menina discutiu comigo quanto a isso. Bateu pezinho no chão, fechou o bico, disse que não. Que você tem menina? Nesse tempo eu já caminhava, observava o tempo com frequência, perdi a paciência. Qual seu problema, menina? Problemas de auto estima? Vai lamber sabão. Toda virada de lua, lua cheia, chove.
__ Recebi esse diagnóstico domingo.
__ Qual?
__ Vai lamber sabão.
__ Não entendi essa menina não.

Falando daquele papo nosso, das histórias aí na sua casa, a moral da história está clara, limpa.

__ Pareceu que ela só precisava de um motivo qualquer para ser agressiva.
__ Me identifico com ela.
__ Pessoas se afastam... você já fez alguma coisa pelo mundo?
__Orgias. Quanta água você já bebeu?
__ Pensou demais... Muita.
__ Sim. É porque sexo com  as estrelas é bem banal.
__ Putz, mas numa piscina vazia tudo eh performance, não é? Cantar, etc.
__ Se tudo é tudo nada é nada?
__ Tudo é nada.
__ Então não tem entrada ou saída? é bem fluido... mas tem uma onda superviver.
__ Não existe começo nem fim. Por isso,  pra que entrada?
__ Uma suspensão alta de consciência, e você pilota e bate nas cordilheiras.
__ Ou passa por cima...
__ Algo sempre se quebra.
__ Sempre.
__ Subiu tem que descer.
__ Sempre é igual a nunca. Aquele que se eleva, certa vez conheceu as profundesas. O fundo não conhece a superfície.
__ A liberdade não habita superfície. O trágico só me faz ver que as plantas simplesmente crescem.
__ O trágico não existe. O universo só reconhece o positivo.
__ Experimente viajar no tempo.
__ O universo só reconhece o positivo. As plantas crescem, morrem, renascem. É o ciclo.
__ Não adianta chorar...
__ Nada permanece, porém, somos eternos. O universo é uma trama atemporal, sem antes nem depois
 (quando meu pai morrer vou transforma-lo numa samambaia)
__ Principalmente se você dançar.
Viemos do Uno e nos apegamos ao Uno - eu, eu, eu. Esquecemos o tamanho do mundo. Então,o budismo diz que viemos do Uno, mas devemos tentar nos ligar ao Todo. Solidão é o mal da pos-modernidade. Forma da harmonia, estou centrada e bebo a água do mundo lençol de solteiro
afogando igual a Virgínia
Wolf
estepe no peito dxs pox pós

Nenhum comentário: