sexta-feira, julho 20, 2018

Cavalo de madeira





Sobrevivente, sim, sou um sobrevivente. Sobrevivente das batalhas da vida, das curvas íngremes e das armadilhas, como qualquer outro ser humano. Não dê sopa na minha frente. O mundo pode ser mau. Mas se só o amor, não são os Coríntios, baby, tenha pena de mim. Então se assim for é assim. O inverno tem muitos enigmas. No inverno fico mais introspectivo. No hemisfério norte as pessoas cultivam no verão e preparam a comida para o inverno. Então, no inverno, elas têm mais tempo para pensar. Pensar é um ato supremo. Essa dor, maldita nostalgia, ainda dói. Com milhares de dias pela frente, não posso ficar preso a ela – dor, nostalgia, saudade. Tem tantos nomes.
Mas solidão é só uma.

Nenhum comentário: