sexta-feira, maio 27, 2011

E agora?




Agora resta esperar, depois de uma longa catarse, um super-rapid-delay - breve-longo processo de refazimento. A vida caminha a passos rápidos e lentos. Seja nesses lentos passos, talvez, manchados de suor e lágrimas, onde mora a felicidade e a redenção. Seu terno de vidro, seu tédio, seu ódio. Está sem mulher, está sem discurso, está sem carinho e tudo acabou e tudo fugiu e tudo mofou. Sua doce palavra, seu instante de febre...




2 comentários:

O Impenetrável disse...

cada palavra sua nesse post é uma realidade que queima (e alivia?).

só sei que o tempo passa e quando você menos espera ele te abocanha.

abraço!

Papagaio Mudo disse...

causticante, real...
claro que alivia!
são como gases,
prosa-peido, prosa-vômito...

hai-kai é um poema-peido,
peidinho.