quinta-feira, maio 05, 2011

Ogunde





Junto às estrelas, os ventos da noite são ventos de mudança. Algo recalcitrante nas minhas lunetas a contristar desarranjos de velhos matizes, velhas cores, cores velhas; que olham só para si, que só para si e o cenário que as absolve olham. Vergam os topos das árvores ao vento sonorizado, e codificam frases do mesmo Espaço, do mesmo esboço de Tempo. Fertilizam, refrigeram, polinizam. Perdido no deserto das ideias.


o tecelão

Nenhum comentário: